COVID-19 reduziu quantidade de ruído sísmico no mundo – Entenda!

0 310

Os bloqueios globais generalizados, chamados de lockdown, por causa da pandemia do COVID-19 reduziram a quantidade de ruído sísmico produzido por seres humanos em até 50% em alguns lugares.

Este período silencioso de ruído sísmico de 2020 começou no final de janeiro e atingiu seu pico de março a maio. Foi a redução mais longa e mais proeminente das ondas sísmicas das atividades humanas na história registrada.

Os pesquisadores publicaram o estudo na Science.

Em todo o mundo, os sismômetros não apenas captam os terremotos que ecoam pelo subsolo, mas também detectam muitas reverberações sutis, como o zumbido causado pelas ondas do oceano ou as águas subterrâneas que circulam no subsolo, bem como os tremores periódicos que às vezes sinalizam uma erupção vulcânica iminente.

Os sismômetros podem até detectar vibrações no solo geradas pelas atividades humanas cotidianas, como tráfego, construção e desfiles ou jogos de futebol.

A ligação entre vibrações sísmicas e ruído da atividade humana é mais intuitiva do que parece, diz o sismólogo Dr. Thomas Lecocq, do Observatório Real da Bélgica em Bruxelas, que liderou o estudo. “Quando perguntamos às pessoas se elas ouviram um terremoto, muitas vezes perguntamos: ‘Soou como um caminhão passando?’ As pessoas associam o som de um caminhão à vibração que sentem”.

Mas distinguir os padrões que indicam riscos naturais de outros sinais sísmicos é complicado. Alguns padrões historicamente se destacaram: os estrondos causados ​​pelo homem tendem a aumentar na semana de trabalho e desaparecem nos feriados.

Análises anteriores desses sinais tendem a ser locais. Como resultado, os pesquisadores nunca mapearam o escopo global do ruído sísmico humano, diz Lecocq.

Vídeo mostra como ocorre a liquefação do solo durante um terremoto

Para tentar avaliar a mudança no ruído sísmico causado pelo homem devido aos bloqueios, Dr. Lecocq e seus colegas concentraram-se em sinais sísmicos com frequências entre 4 e 14 hertz.

As frequências sísmicas mais baixas tendem a ser mais fortemente influenciadas pelos oceanos e pelo clima, diz Lecocq, e os sinais com frequências mais altas tendem a ser mais facilmente absorvidos e atenuados pelos sedimentos pelos quais passam.

Das 268 estações sísmicas em todo o mundo, 185, ou 69%, apresentaram reduções significativas no ruído causado pelo homem. E os locais das reduções de ruído mudaram junto com os bloqueios à medida que a pandemia varria o mundo, aparecendo primeiro na China, depois na Europa e depois no resto do mundo, descobriram os pesquisadores.

As reduções mais fortes, como seria de esperar, ocorreram em áreas densamente povoadas. Estações no Sri Lanka, por exemplo, mostraram uma redução de 50% no ruído sísmico das atividades humanas. Até as noites de domingo no Central Park de Nova York – normalmente um período relativamente calmo para a cidade – eram 10% mais silenciosas durante as restrições.

O período silencioso também revelou quão predominante o ruído sísmico humano é. Terremotos menores que normalmente exigiriam processamento por computador para identificar nos dados de um sismômetro urbano – como um terremoto de magnitude 5,0 que ocorreu perto de Petatlán, no México, em 7 de abril – se tornaram muito mais fáceis de detectar, graças a uma redução de 40% no ruído humano.

Os pesquisadores tendem a pensar que a grande maioria dos sinais sísmicos humanos registrados vêm de menos de um quilômetro de distância ou não penetram profundamente na Terra. Mas o período silencioso revelou que as ondas sísmicas das atividades humanas têm um alcance muito maior do que se pensava, diz o Dr. Lecocq.

Terremoto no México faz terra “respirar” – Vídeo!

Por exemplo, a equipe descobriu que um sismômetro localizado a 380 metros de profundidade perto de Auckland, na Nova Zelândia, não estava apenas registrando atividade humana, mas viu essa atividade cair pela metade durante os bloqueios.

Identificar esses padrões sísmicos causados ​​por humanos pode ajudar os cientistas a removerem parte desse ruído e, possivelmente, serem capazes de ampliar a detecção de sísmos naturais no futuro, diz Dr. Lecocq.

Leia mais

Essa é uma possibilidade intrigante, mas “levará tempo para a comunidade científica realmente demonstrar isso”, diz Dr. Zhongwen Zhan, sismólogo da Caltech. Um ponto ainda mais intrigante levantado por este estudo, ele diz, é que destaca “como a sismologia pode ser usada para monitorar as atividades humanas e a dinâmica populacional”.

Fonte: Science News

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais