Como peixes podem surgir em corpos d’água isolados?

0 404

Para os ovos de peixe, ser devorado por um pato é o início de uma jornada angustiante que inclui ser amassado pela moela e um atacado por ácidos estomacais.

Mas alguns ovos podem sair ilesos nos excrementos dos pato, possivelmente ajudando a disseminar esses peixes para lugares diferentes, segundo um novo estudo.

Tem sido uma “questão em aberto há séculos como peixes podem surgir em corpos d’água isolados”, diz a bióloga Dra. Patricia Burkhardt-Holm, da Universidade de Basileia, na Suíça, que não esteve envolvida no trabalho.

Este estudo mostra uma maneira pelas quais as aves aquáticas podem dispersar os peixes, diz ela.

As penas, pés e fezes das aves podem espalhar sementes e invertebrados resistentes de plantas. Mas como muitos ovos de peixe são moles, os pesquisadores não esperavam que eles pudessem sobreviver ao intestino de um pássaro, diz Dra. Orsolya Vincze, bióloga evolucionária do Centro de Pesquisa Ecológica em Debrecen, Hungria.

No laboratório, Dra. Vincze e seus colegas alimentaram oito patos-reais com milhares de ovos de duas espécies invasoras de carpas. Cerca de 0,2% dos ovos ingeridos, 18 dos 8.000, estavam intactos após a defecação, segundo a equipe.

Alguns desses ovos continham embriões vivos e alguns eclodiram.

A pesquisa foi publicada na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

A pesquisa foi feita em laboratório, o que significa condições controladas. Ainda não está claro se os ovos sobrevivem dessa maneira na natureza.

A maioria dos ovos de peixes viáveis ​​foram expelida dentro de uma hora depois de ser comida, enquanto um levou pelo menos quatro horas para passar. Os patos migratórios podem viajar dezenas ou centenas de quilômetros antes de excretar esses ovos, sugerem os cientistas.

Embora a contagem de ovos sobreviventes seja baixa, seus números podem aumentar, tornando o cocô de pássaros um veículo possivelmente importante para a propagação de peixes.

Uma única carpa pode liberar centenas de milhares de ovos por vez, diz Dra. Vincze. E há um grande número de marrecos e outras aves aquáticas em todo o mundo que podem devorar esses ovos.

Fonte: Science News

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais