O Gênero Influencia a Qualidade do Sono e o Metabolismo: Revelações de uma Nova Revisão Científica”

pouco sono
0 28

O sono é crucial para nossa saúde e bem-estar. Porém, com o sono inadequado se tornando um problema crescente em todo o mundo, é mais importante do que nunca entender quais fatores afetam a qualidade do sono.

Surpreendentemente, um dos fatores que afetam o quão bem uma pessoa dorme à noite é o seu sexo. Pesquisas mostram que problemas de sono parecem ser mais comuns em mulheres. Outros estudos também mostraram que as mulheres podem ser mais afetadas por perturbações no ritmo circadiano (o ciclo de quase 24 horas que controla muitos dos processos do nosso corpo) em comparação com os homens.

Mas ainda há muito que não sabemos sobre como homens e mulheres podem diferir quando se trata de sono e ritmo circadiano – e que efeito tais diferenças podem ter na saúde.

Foi isso que uma nova revisão conduzida por mim e meus colegas procurou descobrir. Revelamos diferenças-chave na qualidade do sono e na função do ritmo circadiano em homens e mulheres.

Também descobrimos que esses fatores podem afetar o metabolismo, o que poderia ter efeitos a longo prazo na saúde e no risco de certas doenças.

Diferenças no relógio biológico Para conduzir nossa revisão, avaliamos cerca de 150 artigos, a maioria dos quais foi publicada na última década, que exploraram diferentes aspectos do sono, ritmos circadianos e metabolismo, bem como alguns estudos sobre possíveis diferenças de sexo em relação a esses aspectos.

Revelamos algumas diferenças-chave na forma como homens e mulheres dormem – encontrando variações em seus ritmos circadianos, bem como na forma como seu metabolismo funciona como resultado.

Mostramos que as mulheres tendem a relatar uma qualidade de sono mais baixa em comparação com os homens. Também descobrimos que a qualidade do sono delas tende a variar mais do que a dos homens.

Além disso, nossa revisão revelou que as mulheres têm até 50% mais chances do que os homens de desenvolver certos distúrbios do sono, como a síndrome das pernas inquietas. Por outro lado, os homens têm até três vezes mais chances de serem diagnosticados com apneia do sono do que as mulheres. No entanto, isso pode ser devido a diferenças na forma como a condição se apresenta em mulheres em comparação com homens.

Nossa revisão também mostrou que as diferenças entre homens e mulheres não existem apenas para o sono e problemas de sono.

A melatonina, um hormônio que ajuda no timing dos ritmos circadianos e do sono, é secretada um pouco mais cedo em mulheres em comparação com homens. A temperatura corporal interna, que está no seu ponto mais alto antes do sono e no seu mais baixo algumas horas antes de acordar, segue um padrão semelhante – com o pico de temperatura corporal mostrado como acontecendo mais cedo em mulheres do que em homens. Isso pode ajudar a explicar por que as mulheres tendem a preferir horários de sono mais cedo em comparação com os homens.

Mas os homens tendem a preferir ir dormir e acordar mais tarde, o que pode entrar em conflito com as demandas sociais, como o trabalho.

No geral, as mulheres relataram uma pior qualidade de sono em média e estavam em maior risco de insônia. Os homens, no entanto, estavam em maior risco de desenvolver apneia do sono.

Mudanças no metabolismo A qualidade do sono e o ritmo circadiano têm fortes efeitos sobre o metabolismo, com pesquisas anteriores mostrando uma ligação entre a perturbação do ritmo circadiano e um maior risco de doenças metabólicas, como obesidade e diabetes tipo 2. Portanto, nossa revisão também investigou a ligação entre esses dois fatores e o metabolismo – e se isso também diferia entre homens e mulheres.

Descobrimos que os cérebros de mulheres e homens respondem de maneira diferente a imagens de comida quando estão privados de sono. Revelamos que áreas do cérebro associadas à emoção são duas vezes mais ativas em mulheres privadas de sono do que em homens privados de sono.

Mas homens privados de sono relataram sentir mais fome do que as mulheres. Essas respostas podem sugerir que isso poderia afetar as escolhas alimentares da pessoa no dia seguinte – como quais alimentos escolhem comer e quanto comem. Mas será importante para estudos futuros testar essa ideia.

Nossa revisão também identificou ligações entre a perturbação do ritmo circadiano e doenças metabólicas.

Descobrimos que pessoas que trabalhavam em turnos noturnos tinham mais chances de serem diagnosticadas com diabetes tipo 2 em comparação com aquelas que trabalhavam durante o dia. Mas o risco de um homem desenvolver diabetes tipo 2 era duas vezes maior quando trabalhava em turnos noturnos do que o de uma mulher.

Leia mais

Mas trabalhadoras do turno noturno mostraram ter cerca de uma vez e meia mais chances de estar acima do peso ou obesas em comparação com mulheres que trabalhavam durante o dia.

Todas essas descobertas mostram o quão importante são o sono e os ritmos circadianos quando se trata do nosso metabolismo e do risco de certas doenças, incluindo diabetes e aquelas relacionadas ao peso corporal.

No geral, essas descobertas reforçam o que outros estudos anteriores já mostraram, ou seja, que o sexo biológico pode afetar muitos aspectos do sono – incluindo a qualidade do sono que uma pessoa obtém todas as noites, quais problemas de sono ela pode ter maior risco de desenvolver e como seu corpo responde à privação de sono.

Nossas descobertas também destacam a necessidade de adaptar o tratamento para distúrbios do sono e do ritmo circadiano dependendo do sexo da pessoa – com nossa pesquisa destacando algumas das possíveis razões pelas quais mulheres e homens podem responder de maneira diferente aos tratamentos existentes.

Mas, embora as evidências estejam começando a mostrar como o sexo de uma pessoa pode afetar seu ritmo circadiano e qualidade do sono que obtêm, ainda há muito que não sabemos. Isso se deve principalmente à sub-representação de mulheres na pesquisa sobre sono e ritmo circadiano.

Deixe um comentário

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência Aceitar Leia Mais