Chip no cérebro é a nova arma para acabar com vício em drogas

0 242

Homem que vive no estado com a maior taxa de mortes por opioides nos Estados Unidos é o primeiro participante de um novo teste para ajudá-lo a vencer o vício em drogas.

O homem teve um chip de computador e eletrodos implantados no centro de dependência de seu cérebro, onde o aparelho enviará sinais projetados para limitar seus desejos.

Três outros pacientes estão prestes a se submeterem ao mesmo tratamento, após os quais serão estudados para verificar se uma aplicação mais ampla é justificada.

Escritores de ficção científica têm considerado as implicações de colocar chips de computador no cérebro das pessoas há décadas. Até agora, no entanto, a principal aplicação da estimulação cerebral profunda (DBS) tem sido controlar os tremores de pessoas com doença de Parkinson.

Os sucessos produziram vídeos comoventes e o DBS foi recentemente aprovado para uso contra epilepsia.

Agora, a West Virginia University é a primeira a aplicar a ideia no combate ao vício.

O DBS envolve o implante de eletrodos em áreas críticas do cérebro para produzir pulsos elétricos em frequências cuidadosamente ajustadas para melhorar as ondas cerebrais positivas e interromper os sinais prejudiciais.

Embora as taxas de sucesso do DBS tenham melhorado à medida que os neurocirurgiões adquiriram experiência na condução da operação, ainda existem riscos envolvidos, incluindo implantes mal posicionados e infecções. Consequentemente, isso nunca é feito com todos os pacientes.

Para se qualificar para o estudo, os pacientes precisavam ter vícios em opioides e que não responderam a outros programas de tratamento.

O primeiro paciente a usar chip contra o vício em drogas

Leia mais

O primeiro receptor de implante é Gerod Buckhalter de 33 anos. Ele possui mais de uma década de uso de opioides e benzodiazepínicos e histórico de recaídas e overdoses com risco de vida.

“Apesar dos nossos melhores esforços usando as atuais modalidades de tratamento com base em evidências, existem vários pacientes que simplesmente não respondem. Alguns desses pacientes permanecem em risco muito alto de problemas de saúde catastróficos contínuos. O DBS pode ser uma ferramenta valiosa em nossa luta para manter as pessoas vivas e bem”, disse Dr. James Berry, presidente interino do Departamento de Medicina Comportamental e Psiquiatria da Universidade de West Virginia.

Contate o Dr. James Berry pelo email: knopfa@wvumedicine.org 

Outros usos do DBS

No ano passado, membros da mesma equipe aplicaram DBS em pacientes com doença de Alzheimer, na esperança de quebrar as placas que são um dos sintomas e possivelmente causam a doença.

Os resultados ainda precisam ser publicados para melhor avaliar se a técnica atingiu seu objetivo de restaurar a memória ou, pelo menos, diminuir seu declínio.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More