Nova droga experimental dá esperança conta leucemia – Confira!

0 236

Em um estudo publicado na revista Cancer Cell, cientistas da Canadian Light Source (CLS) conseguiram matar células cancerígenas de leucemia em modelos in vitro e in vivo. Eles aumentaram a atividade do sistema natural de eliminação de células.

A leucemia mielóide aguda (LMA) é uma forma de câncer de glóbulos brancos que progride rapidamente e requer tratamento imediato.

As opções atuais de tratamento envolvem principalmente quimioterapia, com possíveis transplantes de medula óssea ou de células-tronco, para tentar matar o maior número possível de células de leucemia.

Segundo a American Cancer Society, haverá cerca de 60.000 novos casos de LMA e 23.100 mortes nos EUA em 2020.

Para o estudo, a equipe usou a cristalografia para sondar estruturas sub-nanométricas. Instalações como a da CLS usam luz síncrotron produzida por anéis de armazenamento e aceleradores de partículas para visualizar as ações entre células e medicamentos até as estruturas mais minúsculas.

Por meio desse método, a equipe conseguiu provar que drogas experimentais, chamadas impiridonas, poderiam se ligar e causar a morte de células cancerígenas. Visualizar isso não era possível anteriormente e é um grande passo para o futuro das terapias para leucemia.

Droga experimental é a nova arma da ciência contra o câncer – Confira!

O caminho direcionado pelas impiridonas ataca as células cancerígenas, mas deixa as células normais em paz. A droga atinge uma enzima (ClpP) encontrada nas mitocôndrias que atua como controle de qualidade de várias proteínas celulares.

Se a proteína for dobrada incorretamente durante a produção, o ClpP a destruirá para evitar danos causados ​​pela proteína defeituosa. Quando Dr. Jo Ishizawa e sua equipe hiperativaram o ClpP, demonstrou-se que destrói especificamente células de leucemia, destruindo proteínas envolvidas na respiração mitocondrial, impedindo que as células cancerígenas realizem processos biológicos essenciais.

O ONC201, uma impiridona usada neste estudo, está atualmente em fase 2 de ensaios clínicos para o tratamento de várias formas de glioma (um tipo de tumor cerebral), mas esses resultados sugerem que pode ter aplicações mais amplas. Atualmente, existe um apelo para que os pacientes com glioma participem dos ensaios.

Se você quiser se inscrever no teste clínico clique aqui.

A equipe também observou algumas limitações em seu estudo: “Nossos dados sugerem que amostras de pacientes com os níveis mais baixos de ClpP são menos sensíveis à hiperativação de ClpP. Assim, os níveis de ClpP podem servir como um biomarcador para selecionar pacientes com LMA com maior e menor probabilidade de responder.

Obviamente serão necessários mais estudos com um número maior de pacientes para estabelecer limites da expressão de ClpP que melhor predizem a resposta.

Os pesquisadores esperam que um estudo mais aprofundado sobre essas vias de impiridonas tragam resultados ainda mais positivos. Enquanto isso, a colaboração entre o CLS e outros institutos de câncer tem como objetivo continuar a gerar interações nas células de leucemia para procurar mais alvos terapêuticos.

Fonte: Cancer Cell

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais