Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Droga anti-inflamatória pode reduzir risco de ataques cardíacos

0 304

Os fármacos anti-inflamatórios podem reduzir o risco de ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais, sugere um estudo com 10.000 pacientes.

Um teste da droga canakinumab poderia representar o maior avanço no tratamento desde o advento das estatinas para baixar o colesterol, dizem os autores.

O estudo relatou uma redução de 15% no risco de um ataque cardíaco repetido entre os pacientes – mas outros pesquisadores questionaram a eficácia, os efeitos colaterais e o custo da droga.

Os destinatários da droga apresentaram um risco aumentado de infecções potencialmente fatais.

No entanto, a British Heart Foundation (BHF) disse que os resultados foram “emocionantes e tão aguardados” e ainda poderia ajudar a salvar vidas.

Droga de artrite

Os pacientes com ataque cardíaco são rotineiramente administrados com estatinas para redução do colesterol e medicamentos para diluir o sangue para ajudar a reduzir o risco de ataques repetidos.

Neste estudo, 10.000 pacientes que tiveram anteriormente um ataque cardíaco foram tratados com o medicamento anti-inflamatório uma vez a cada três meses.

O estudo, realizado em quase 40 países, monitorou os indivíduos por até quatro anos.

Os pesquisadores disseram que os resultados mostraram reduções no risco “acima e além” das observadas em pacientes que só tomavam estatinas.

No entanto, também encontrou uma “incidência significativamente maior” de infecção potencialmente fatal e sepse entre aqueles tratados com o fármaco.

Os resultados foram apresentados na reunião da Sociedade Europeia de Cardiologia, realizada em Barcelona, ​​Espanha.

O Canakinumab foi inicialmente desenvolvido pela empresa farmacêutica Novartis – que pagou pelo estudo – para tratar artrite reumatoide.

Especialista cauteloso

Dr. Robert Harrington, presidente da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, soou uma nota de cautela em um editorial no New England Journal of Medicine.

Ele disse que os efeitos de anti-inflamatórios podem ser “modestos”, e o benefício clínico absoluto do canakinumab “não pode justificar” seu uso de rotina “até que entendamos mais sobre os compromissos de eficácia e segurança”.

Outros, porém, dizem que o tratamento pode ajudar aqueles que correm o risco de repetir os ataques cardíacos quando as estatinas não forem suficientes.

O Prof. Jeremy Pearson, diretor médico associado da BHF, disse: “Os achados sugerem que drogas anti-inflamatórias existentes, como o canakinumab, poderiam ser administradas juntamente com medicamentos para reduzir o colesterol para tratar os sobreviventes e ainda reduzir o risco de outro ataque cardíaco.”

Dr. Gary Gibbons, diretor do Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue, disse que as descobertas forneceram “provas convincentes”. Entretanto, ele pediu mais pesquisas sobre as descobertas.

Fonte: BBC