Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Exame no olho permite detectar Alzheimer 20 anos antes

0 343

Um exame de olho poderia detectar a doença de Alzheimer duas décadas antes que os sintomas surjam, afirma um novo estudo.

Pesquisadores em Los Angeles testaram 16 pacientes. Comparando seus resultados com varreduras cerebrais, o exame ocular foi bem sucedido em detectar pacientes com o dobro da quantidade de acumulação de placa em seus cérebros.

Os especialistas dizem que a descoberta é um dos maiores avanços da pesquisa de Alzheimer até o momento, oferecendo o primeiro sinal de um teste econômico e não invasivo.

“Os achados sugerem que a retina pode servir como uma fonte confiável para o diagnóstico de doença de Alzheimer”, disse o autor principal principal do estudo, o Dr. Maya Koronyo-Hamaoui, uma neurocirurgião em Cedars-Sinai.

“Uma das principais vantagens de analisar a retina é a repetibilidade, o que nos permite monitorar pacientes e potencialmente a progressão de sua doença”.

Até cerca de uma década atrás, a única maneira de diagnosticar oficialmente alguém com doença de Alzheimer era analisar seu cérebro de forma póstuma.

Nos últimos anos, os médicos foram capazes de usar tomografia de emissão de positrões (PET) nos cérebros de pessoas vivas, para identificar marcadores da doença.

No entanto, a tecnologia é cara e o teste é invasivo, uma vez que o paciente precisa ser injetado com rastreadores radioativos.

O time do Dr. Koronyo-Hamaoui decidiu identificar uma técnica mais econômica e menos invasiva.

O estudo

Para o estudo, os pesquisadores realizaram um ensaio clínico em 16 pacientes que tomaram uma solução que inclui curcumina, um componente natural da açafrão.

A curcumina faz com que a placa de amiloide na retina “acenda” e seja detectada pela varredura.

Os pacientes foram então comparados a um grupo de indivíduos mais jovens e cognitivamente saudáveis.

Os pesquisadores descobriram que seus resultados eram tão precisos quanto os encontrados através de métodos invasivos padrões.

Dr. Yosef Koronyo, um associado de pesquisa no Departamento de Neurocirurgia, disse que outro achado chave do novo estudo foi a descoberta de placas amiloides em regiões periféricas da retina previamente negligenciadas.

Ele disse que a quantidade de placa na retina correlacionou-se com a quantidade de placa em áreas específicas do cérebro.

“Agora, sabemos exatamente onde procurar os sinais da doença de Alzheimer o mais cedo possível”, disse Koronyo.

O Dr. Keith L. Black, presidente do Departamento de Neurocirurgia de Cedars-Sinai, que co-liderou o estudo, disse que os resultados oferecem esperança para a detecção precoce.

Os resultados foram celebrados em todo o mundo.

Fonte: Daily Mail