Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Depilação pubiana causa lesão em um quarto das pessoas que fazem, diz pesquisa

0 269

Quer se trate de depilação por cera, com lâmina ou a laser, a depilação pubiana tornou-se comum. Mas, um quarto daqueles que removem seus pelos já sofreram um acidente durante o processo, revelou a pesquisa.

O estudo descobriu que 76% dos adultos norte-americanos interrogados disseram que retiraram alguns ou todos os seus pelos pubianos, com quase 26% assumindo que sofreram pelo menos uma lesão enquanto faziam isso, como por exemplo cortes, queimaduras e erupções cutâneas.

A pesquisa, dizem os autores, foi motivada por uma análise de problemas do sistema geniturinário que causou pessoas a procurarem serviços de emergência.

“Nós fomos, francamente, bastante surpreendidos com a frequência com que as pessoas estavam apresentando lesões relacionadas ao processo”, disse Dr. Benjamin Breyer, urologista da Universidade da Califórnia, São Francisco e co-autor do estudo.

“Três por cento do tempo [adultos] estão entrando [para o departamento de emergência com uma lesão geniturinária, é] com uma lesão de preparação”.

Para explorar se certas práticas estavam ligadas a um risco maior, a equipe realizou uma pesquisa on-line nacionalmente representativa de adultos com idade entre 18 e 64 anos, que foi feita em janeiro de 2014.

Entre as perguntas, os participantes foram questionados sobre a idade em que começaram a depilar pelos pubianos, e se alguma vez sofreram algumas lesões.

depilação
Locais onde os homens e mulheres depilam seus pelos pubianos.

Os resultados

Publicado na revista Jama Dermatology, os resultados revelam que 5.674 de 7.456 participantes relataram que eles, em algum momento, depilaram seus pelos pubianos, com quase 67% dos homens e pouco mais de 85% das mulheres dizendo que fazem rotineiramente a depilação.

Enquanto a maioria relatou a remoção de seus próprios cabelos, pouco menos de 4% disseram ter removido por um profissional, enquanto 9% disseram que foram atendidos por um parceiro e 0,5% disseram que um amigo fez o trabalho.

Leia mais

O barbear foi o método mais comum, com quase três quartos dos participantes usando algum tipo de navalha.

Mas o estudo também descobriu que 27% das mulheres e quase 24% dos homens chegaram a se machucarem enquanto depilavam seus pelos pubianos, com 1,4% dos que usam lâminas dizendo que buscaram atendimento médico como resultado.

Entre as tendências reveladas, os homens eram aqueles que tinham maiores risco de lesões.

Os cortes foi a lesão mais comum, representando 61% dos contratempos, enquanto 23% foram atingidos por queimaduras, provavelmente resultaram da depilação ou do uso de cremes para depilação.

Enquanto o escroto era o principal local de lesão para os homens, o púbis era a localização das lesões para as mulheres.

Mas os erros foram raramente únicos – dois terços daqueles que sofreram lesões relataram que sofreram mais de uma vez e quase um terço disse que aconteceu em cinco ou mais ocasiões ao longo da vida.

O estudo também revelou que aqueles que removeram todos os seus pelos pubianos eram mais propensos a reportar terem sofrido ferimento.

Embora os autores observem que a maioria das lesões eram menores, 2,5% daquelas que relataram feridas disseram que eram severas e necessitavam de intervenção cirúrgica, exigindo pontos para a drenagem de abscessos.

Os métodos mais perigosos

Dr. Beyer observa que é difícil dizer qual método é o mais perigoso.

“Os raspadores foram mais associados [com lesão], mas eles podem ser os que são usados de longe”, disse ele. “O uso de máquinas de barbear elétricas parece não estarem associadas a altos graus de lesões – provavelmente porque são menos propensos a cortar a pele – mas você não consegue uma depilação tão boa”.

Enquanto Dr. Beyer diz que a pesquisa tem suas limitações – não menos importante que se baseou em respostas auto-relatadas que talvez não tenham refletido toda a verdade – ele diz que as pessoas deveriam ter um cuidado extra para evitarem erros.

Fonte: The Guardian