Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Você sabe como um vulcão pode te matar? Assista ao vídeo!

0 454

Enquanto cerca de um décimo da população mundial vive perigosamente perto de vulcões, houveram apenas 278.368 mortes registradas desde 1500 A.C.

Se nossas medições estiverem certas, os vulcões são responsáveis ​​por apenas 538 mortes por ano. Basicamente, você é estatisticamente mais propensos a ser morto por um hipopótamo ou morrer durante o sexo do que por causa de um vulcão.

Conhecemos isso porque, há pouco tempo atrás, um grupo de pesquisadores produziu um banco de dados documentando todas as mortes conhecidas relacionadas aos vulcões ao longo dos últimos anos.

Agora, a Dra. Sarah Brown, da Faculdade de Ciências da Terra da Universidade de Bristol, usou uma versão atualizada do banco de dados, juntamente com outras peças de informação existente, para chegar a uma compreensão mais detalhada de onde e por que as pessoas morrem de vulcões.

Link 100% seguro

Usando relatórios oficiais, boletins de atividade de vulcão, relatórios científicos e histórias de mídia, eles foram capazes de determinar a localização de incidentes fatais.

Os resultados foram publicados no Journal of Applied Volcanology.

No geral, houveram mortes registradas em 194 vulcões em 38 países desde 1500 A.C. A grande maioria desses incidentes (50 por cento) ocorreu no sudeste e leste da Ásia – uma pequena região do que é referida como “o anel de fogo”.

Incidentes únicos de erupções em larga escala representam a maior perda de vidas. Os pesquisadores ressaltam que apenas sete eventos foram responsáveis ​​por 125.000 – ou 58 por cento – das mortes.

A equipe também analisou a causa da morte e como isso mudou dependendo da proximidade da vítima com a explosão. Enquanto os lahars (fluxos de lodo vulcânico), tsunamis e correntes de densidade piroclástica (PDCs) foram a causa mais comum de morte, as fatalidades dentro de 5 quilômetros (3 milhas) da erupção foram mais frequentemente associadas com a balística ou bombas vulcânicas.

Se uma vítima foi pego de 5 a 15 quilômetros (3 a 9 milhas) da explosão, os PDCs, avalanches de rochas quentes, cinzas e gás foram a causa mais comum de morte.

Veja essa simulação feita por pesquisadores Neozelandeses:

Não surpreendentemente, viver perto de um vulcão aumentou o risco de morte.

A maioria das vítimas teria caído nessa categoria. Em seguida, foram turistas (561 mortes no total), cientistas (67), trabalhadores de emergência (57) e aqueles que trabalham na mídia (30).

“A identificação desses grupos de vítimas é fundamental para melhorar a segurança e reduzir mortes e feridos nesses grupos”, afirmou Brown em um comunicado.

“Enquanto os vulcanólogos e o pessoal de resposta de emergência podem ter razões válidas para sua abordagem em zonas perigosas, os benefícios e os riscos devem ser cuidadosamente pesados.

“A mídia e os turistas devem observar zonas de exclusão e seguir a direção das autoridades e observatórios do vulcão. As mortes de turistas podem ser reduzidas com restrições de acesso apropriadas, avisos e educação”.

Fonte: IFLS

Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se para receber mais notícias e atualizações
Você pode desativar quando quiser