Cocaína altera genes do cérebro – Saiba mais!

0 376

O uso crônico de cocaína pode alterar os genes do cérebro e contribuir para o vício, segundo um novo estudo.

Pesquisas realizadas em ratos descobriram que os genes do hipocampo, a parte do cérebro responsável pelas memórias e pelo aprendizado, eram mais ativos quando a cocaína era usada diariamente.

Os cientistas pensam que, quando esses genes estão “ligados” e ativos, o cérebro de um usuário de drogas cria ligações mais fortes entre a droga e o ambiente, o que cria memórias positivas e aumenta a probabilidade de uso novamente.

A equipe, da Michigan State University, diz que as descobertas podem levar ao desenvolvimento de terapias direcionadas aos genes em combinação com tratamentos tradicionais para dependentes.

Os opióides podem estar impulsionando a epidemia americana de overdose, mas o uso e as mortes de cocaína também têm aumentado.

Vários estudos mostraram que o gene FosB – e genes a ele relacionados – codificam proteínas que rapidamente aumentam em regiões cerebrais específicas depois que alguém usa uma droga viciante como a cocaína.

Essas regiões cerebrais estão associadas a memórias e respostas comportamentais às drogas, como a sensação de recompensa após tomá-la.

Mas não estava totalmente claro por que ou como a cocaína desencadeava esse influxo de proteínas.

Se eles conseguissem descobrir qual botão a cocaína pressionava nessas regiões do cérebro, por assim dizer, talvez pudessem desenvolver tratamentos para bloquear os efeitos da droga.

O estudo

Para o novo estudo, publicado na revista JNeurosci, os pesquisadores forneceram metade de um grupo de ratos com cocaína e a outra metade uma solução salina.

Leia mais

Eles então analisaram os níveis de atividade do gene FosB no hipocampo em ambos os grupos.

Os ratos que receberam cocaína diariamente mostraram uma expressão aumentada do gene FosB em comparação com o grupo controle.

Isso significa que o gene é ativado, ativando o mecanismo biológico que produz a proteína que, por sua vez, permite a formação de memórias positivas relacionadas à droga.

Mas quando os pesquisadores bloquearam as alterações feitas no gene, os camundongos não conseguiram formar a associação entre cocaína e o prazer em que receberam a droga.

“Esses resultados oferecem novas idéias sobre as mudanças moleculares que ocorrem no hipocampo durante o uso crônico de cocaína”, escreveram os autores.

É difícil para os usuários de cocaína abandonarem-na, pois isso pode levá-los a sintomas graves de abstinência, como agitação, depressão, ansiedade e fadiga.

No entanto, os pesquisadores acreditam que, interromper a ativação desse gene e a proteína que faz a memória da cocaína parecer tão boa, eles também podem ajudar a quebrar o padrão de dependência.

Fonte: Daily Mail

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More