Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Velocidade da luz – Como chegamos a um valor e porque ele pode mudar em breve?

0 74

A velocidade da luz no vácuo é de 299.792.458 quilômetros por segundo, uma figura que os cientistas somente concordaram em 1975 – mas por que se contentar com essa figura? E por que isso importa?

Responder a essas perguntas nos leva a uma viagem incrível através do espaço, tempo, física e medição, e o conto ainda não está finalizado. Estudos de dias modernos estão questionando a velocidade da luz pela primeira vez em séculos.

No começo do século XVII, porém, o consenso geral era que a luz não tinha velocidade, que simplesmente aparecia instantaneamente, presente ou não.

Durante a década de 1600 essa idéia foi seriamente desafiada. Primeiro, pelo cientista holandês Isaac Beeckman, em 1629, que montou uma série de espelhos em torno de uma explosão de pólvora para ver se os observadores perceberam alguma diferença no tempo em que os flashes de luz apareceram.

Infelizmente para Beeckman e o progresso da ciência, os resultados foram inconclusivos, mas então em 1676 o astrônomo dinamarquês Ole Rømer observou estranhas variações nos tempos de eclipse de uma das luas de Júpiter ao longo de um ano.

Poderia ser porque a luz levou mais tempo para viajar de Júpiter quando a Terra estava mais longe? Rømer pensou assim, e seus cálculos aproximados põem a velocidade da luz em cerca de 220.000 quilômetros por segundo – não uma má estimativa no todo, especialmente considerando os dados que ele teria tido em relação ao tamanhos dos planetas.

Outras experiências

Outras experiências com feixes de luz em nosso próprio planeta aproximaram os cientistas do número certo e, em seguida, em meados dos anos 1800, o físico James Clerk Maxwell apresentou as equações de Maxwell – maneiras de medir campos elétricos e magnéticos no vácuo.

As equações de Maxwell fixaram as propriedades elétricas e magnéticas do espaço vazio, e depois de notar que a velocidade de uma onda de radiação eletromagnética sem massa estava muito próxima da suposta velocidade da luz, Maxwell sugeriu que elas pudessem corresponder exatamente.

Acontece que Maxwell estava certo, e pela primeira vez nós poderíamos medir a velocidade da luz com base em outras constantes no Universo.

Ao mesmo tempo, o trabalho de Maxwell sugeriu fortemente que a luz era em si uma onda eletromagnética, e depois que essa ideia foi confirmada, ela foi escolhida por Albert Einstein em 1905 como parte de sua teoria da relatividade especial.

Leia mais

Atualmente

Hoje a velocidade da luz, ou c, como é comumente conhecido, é considerada a pedra angular da relatividade especial – ao contrário do espaço e do tempo, a velocidade da luz é constante, independente do observador.

Além do mais, essa constante sustenta muito do que entendemos sobre o Universo. Corresponde à velocidade de uma onda gravitacional, e sim, é o mesmo que está na famosa equação E = m.c².

Nós não temos apenas a palavra de Maxwell e Einstein para o que a velocidade da luz é. Os cientistas a mediram, saltando os lasers para trás dos objetos e observando o modo como a gravidade atua nos planetas, e todas essas experiências surgem com a mesma figura.

No entanto, a história não termina bem lá, graças à teoria quântica, que o ramo da física insinuando que o Universo pode não ser tão constante como pensamos.

A teoria do campo quântico diz que um vácuo nunca é realmente vazio: ele está cheio de partículas elementares, rapidamente entrando e saindo da existência. Essas partículas criam ondas eletromagnéticas ao longo do caminho, a hipótese diz que isso poderia causar variações na velocidade da luz.

Os estudos sobre essas idéias estão em andamento, e ainda não sabemos com certeza de uma forma ou de outra. Por enquanto, a velocidade da luz permanece a mesma que há séculos, constante e fixa … mas observe este espaço.

Fonte: Science Alert