Escute o som das estrelas publicado pela primeira vez – Ouça aqui!

0 403

Pela primeira vez, nós podemos ouvir o som das estrelas, graças aos avanços da ciência e da tecnologia, e um pouco de magia musical, cortesia do famoso produtor Brian Eno.

O universo não está silencioso. As estrelas compõem uma orquestra cósmica, realizando um concerto que nunca para.

Todas as estrelas produzem ondas acústicas infra-sonoras, frequência muito baixa para um ouvido humano ouvir. Mas felizmente essas ondas podem ser captadas por telescópios.

Pensamos no som como algo que faz barulho, mas, em termos puros da física, o som é apenas uma vibração que atravessa a matéria.

Como os instrumentos, as estrelas não são sólidas até o núcleo, as ondas sonoras ficam presas nas camadas externas e saltam para dentro. Isso faz a estrela vibrar, o que, por sua vez, torna-a mais escuras ou claras. Isso que podemos detectar com telescópios e reconstruir o som produzido por essas vibrações.

Nesta orquestra cósmica, as maiores estrelas são como o baixo ou o oboé, produzindo sons mais baixos e profundos. Enquanto as estrelas menores são como a flauta ou o violino mais agudo.

São essas ondas acústicas infra-sonoras, computadas pelo astrofísico Dr. Garik Israelian e organizadas por Brian Eno, que são aceleradas para que possamos ouví-las.

Você pode escutá-los abaixo ou clicando aqui.

O som das estrelas.

Obviamente, observar essas vibrações não é apenas para o propósito de fazer música.

Você sabia que uma colisão entre estrelas iluminará o céu em 2022?

O estudo das ondas sonoras nas estrelas ajuda a informar os astrônomos sobre seu tamanho, idade e estruturas internas, assim como os geólogos avaliam o interior da Terra a partir de ondas sísmicas e terremotos.

Isso, por sua vez, nos ensina mais sobre quaisquer planetas que orbitam essas estrelas. As missões que caçam planetas, Kepler e TESS, são sensíveis o suficiente para detectar vibrações estelares e, portanto, usam essa técnica; quanto mais sabemos sobre as estrelas no universo, mais podemos descobrir sobre os planetas que as orbitam.

Fonte: IFLS

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais