Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Paracetamol na gravidez pode inibir masculinidade de feto

0 363

Paracetamol é uma droga muito popular para aliviar a dor. Mas se você está grávida, você deve pensar duas vezes antes de ingerir essas pílulas de acordo com os pesquisadores em um novo estudo.

Em um modelo animal, o Paracetamol, que é um remédio muito usado para alívio de dor, realmente prejudica o desenvolvimento de comportamentos masculinos.

Estudos anteriores demonstraram que o paracetamol pode inibir o desenvolvimento do hormônio sexual masculino testosterona em fetos masculinos, aumentando assim o risco de malformação dos testículos.

Mas um nível reduzido de testosterona no estágio fetal também é significativo para os comportamentos de machos adultos, diz o pesquisador David Møbjerg Kristensen, pesquisador do Departamento de Ciências Biomédicas e no Centro da Fundação New Nordisk.

“Nós demonstraram que um nível reduzido de testosterona significa que as características masculinas não se desenvolvem como deveriam. Isso também afeta o desejo sexual. Em um experimento, os camundongos expostos ao paracetamol no estágio fetal simplesmente não conseguiram copular da mesma maneira que os animais controle. A programação masculina não foi devidamente estabelecida durante o desenvolvimento fetal e isso pode ser observado depois na vida adulta. É muito preocupante”, diz David Møbjerg Kristensen.

A dosagem administrada aos ratos foi muito próxima da dosagem recomendada para mulheres grávidas.

Como os ensaios são restritos a camundongos, os resultados não podem ser transferidos diretamente para humanos. No entanto, a certeza dos pesquisadores sobre os efeitos prejudiciais do paracetamol significa que seria impróprio empreender os mesmos ensaios em humanos, explica David Møbjerg Kristensen.

Redução das características masculinas

A testosterona é o principal hormônio sexual masculino que ajuda a desenvolver o corpo masculino e a programação masculina do cérebro.

Os comportamentos masculinos em camundongos observados pelos pesquisadores envolveram agressividade a outros camundongos, capacidade de copular e a necessidade de marcação territorial.

Os roedores reagiram significativamente mais passivamente do que o normal para os três parâmetros. Eles não atacaram outros machos, não conseguiram copular e se comportar mais como fêmeas quando se trata de marcação territorial urinária.

Depois de observar os padrões de comportamento alterados, o Prof. Anders Hay-Schmidt, que estava empregado no então Departamento de Neurociências e Farmacologia durante seus estudos na Universidade de Copenhague, investigou os efeitos específicos de uma falta de testosterona no cérebro.

Os resultados também apareceram claramente aqui.

“A área do cérebro que controla o desejo sexual – o núcleo dimórfico sexual – tinha metade dos neurônios nos ratos que receberam paracetamol do que os ratos controle.”

“A inibição da testosterona também levou a uma redução pela metade da atividade em uma área do cérebro que é significativo para características masculinas”, explicou.

Fertilidade feminina também é afetada

Este estudo centrou-se no efeito do paracetamol nas características masculinas, mas o paracetamol durante a gravidez também tem o potencial de influenciar o desenvolvimento de camundongos femininos.

Em 2016, pesquisadores publicaram um estudo mostrando que camundongos fêmeas tinham menos ovos em seus ovários se suas mães tivessem tomado paracetamol durante a gravidez.

Isso levou-as a se tornarem inférteis mais rapidamente. Mas mesmo que o paracetamol seja prejudicial, isso não significa que nunca deve ser tomado, mesmo na gravidez.

“Eu pessoalmente acho que as pessoas devem pensar com atenção antes de tomar remédios. Hoje em dia, tornou-se tão comum tomar paracetamol que esquecemos que é um remédio. E todos os medicamentos têm efeitos colaterais. Mas se você está doente, você deve tomar o remédio que precisa. Afinal, ter uma mãe doente também é prejudicial para o feto”, diz David Møbjerg Kristensen.

Ele enfatiza que as mulheres grávidas devem continuar a seguir as diretrizes dadas pelas autoridades de saúde de seu país e recomenda que as pessoas entrem em contato com seu médico de família em caso de dúvida sobre o uso de paracetamol.

Fonte: EurekalertUniversidade de Copenhagen