Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Padrões ruins de sono é uma ferramenta evolutiva de sobrevivência, diz estudo

0 73

A pesquisa sobre os padrões ruins de sono dos caçadores/coletores da Tanzânia lança nova luz sobre o fenômeno, muitas vezes atribuído aos smartphones e ao estilo de vida moderno

A insônia é muitas vezes considerada uma aflição moderna ligada aos nossos estilos de vida sedentários, iluminação elétrica e smartphones.

No entanto, novas pesquisas sugerem que o sono irregular (padrões ruins de sono) pode ser um antigo mecanismo de sobrevivência projetado para nos proteger contra ameaças noturnas.

O estudo, que acompanhou os padrões de sono de uma tribo de caçadores e coletores modernos no norte da Tanzânia, descobriu que o horário noturno de vigília e diferentes padrões de sono entre jovens e velhos assegurava que quase sempre houvesse um membro da tribo acordado.

Durante um período de três semanas, houve apenas 18 minutos quando todos os 33 membros da tribo estavam adormecidos ao mesmo tempo.

Dr. David Samson, pesquisador da Duke University, Carolina do Norte, no momento do estudo, disse: “O que estamos achando nessas populações é que o tempo de sono total é bastante baixo. Na sociedade ocidental, estamos realmente ficando mais seguros, um sono mais decente do que os caçadores-coletores”.

Apesar de dormirem menos, no entanto, os membros da tribo não apresentavam a “paranoia” sobre problemas de sono e insônia, que Dr. Samson disse serem comuns, especialmente em idosos, nos países desenvolvidos.

Foto:

sono
Um homem Hadza dorme em uma pele de antílope no norte da Tanzânia. Fotografia: David Samson. PA

O estudo centrou-se no povo de Hadza no norte da Tanzânia. Eles vivem e dormem em grupos de 20 a 30 pessoas.

Durante o dia, homens e mulheres seguem seus caminhos separados para forragear tubérculos, bagas, mel e carne nas florestas de savana que cercam o Lago Eyasi.

Eles se reúnem à noite, normalmente dormindo juntos ao lado de sua lareira ou em cabanas feitas de ervas e ramos tecidos.

“Eles contam uma parte importante da história evolutiva humana, porque eles vivem um estilo de vida mais parecido com nosso passado de caça e colheita”, disse Dra. Alyssa Crittenden, professora associada de antropologia da Universidade de Nevada, Las Vegas e uma das co-autoras do estudo.

“Eles dormem no chão e não têm iluminação artificial ou clima controlado”.

Fonte: The Guardian