Pioneiros da imunoterapia contra o câncer ganham o Nobel de Medicina – Entenda!

0 268

Descobertas sobre formas de aproveitar o sistema imunológico para atacar o câncer ganharam o Prêmio Nobel de Medicina de 2018.

James Allison, da Universidade do Texas, em Houston, e Tasuku Honjo, da Universidade de Kyoto, no Japão, descobriram maneiras de remover os “freios” do sistema imunológico que o impedem de atacar as células tumorais.

Imunoterapias contra o câncer revolucionaram o tratamento de certos tipos de câncer, fazendo com que os tumores anteriormente intratáveis ​​em alguns pacientes se reduzissem a quase nada.

Dr. James Allison

“James Allison estudou uma proteína que funciona como um freio no sistema imunológico. Ele percebeu o potencial de liberar o freio e, assim, liberar nossas células imunológicas para atacar tumores”, disse a Assembléia do Nobel no Instituto Karolinska, em Estocolmo.

“Ele então desenvolveu este conceito em uma nova abordagem para o tratamento de pacientes”.

As descobertas de Allison se basearam no trabalho de imunologistas franceses da década de 1980 que estudavam células T, componentes do sistema imunológico que atacam células que o corpo reconhece como estranhas.

Eles identificaram um receptor chave na superfície das células T que eles chamavam de antígeno de linfócitos T citotóxicos 4, ou CTLA-4. Allison e colegas descobriram que o receptor põe freios nas células T, impedindo-as de lançar ataques imunes completos.

Outros grupos esperavam usar o receptor para ajudar a tratar doenças autoimunes – nas quais os freios do sistema imunológico não são fortes o suficiente.

Mas Allison teve uma ideia diferente.

O câncer se desenvolve quando o sistema imunológico do corpo não consegue atacar as células tumorais, apesar de estarem crescendo fora de controle. Allison imaginou se bloquear o bloqueador – a molécula CTLA-4 – libertaria o sistema imunológico para destruir o câncer.

Leia mais

Este foi um novo conceito – direcionar o sistema de imunossupressão do corpo como uma ferramenta para ajudar a combater os tumores. Em 1996, Allison publicou um artigo na Science mostrando que os anticorpos contra o CTLA-4 eliminaram tumores em camundongos.

As companhias farmacêuticas inicialmente evitaram a imunoterapia do câncer, desconfiadas de possíveis efeitos colaterais e também de uma abordagem tão diferente dos tratamentos padrão de cirurgia, radiação ou quimioterapia.

Assim, o trabalho de colocar anti-CTLA-4 nas pessoas coube a uma pequena empresa de biotecnologia, a Medarex, em Princeton, Nova Jersey. Adquiriu direitos ao anticorpo em 1999 e foi o primeiro a usá-lo como droga.

Dr. Tasuku Honjo

Honjo, entretanto, no início dos anos 90 descobriu uma molécula expressa em células T moribundas, que ele chamou de morte programada 1, ou PD-1; ele reconheceu o PD-1 como outro freio nas células T.

Inicialmente, “não percebi que havia uma conexão com o câncer”, disse Honjo na entrevista coletiva de hoje. Mais tarde, no entanto, ele e outros realizaram experimentos-chave mostrando que a molécula poderia ser um alvo em terapias contra o câncer.

Os primeiros ensaios clínicos usando PD-1 foram ainda mais dramáticos do que aqueles com CTLA-4. Vários pacientes com câncer metastático – tumores que se espalharam para vários locais do corpo – foram aparentemente curados. E os efeitos colaterais pareciam mais leves do que aqueles observados com as terapias de CTLA-4.

O nobel de medicina

A notícia do Nobel de medicina foi recebida com entusiasmo na Quarta Conferência Internacional de Imunoterapia contra o Câncer, que começou ontem na cidade de Nova York. “Estamos muito empolgados”, diz Miriam Merad, imunologista de câncer da Escola de Medicina Icahn, no Mount Sinai, em Nova York. “É uma descoberta transformadora. Mesmo para o tratamento de cânceres com metástase, teve um impacto enorme”, diz ela.

Allison, diz Merad, “convenceu a todos” de que vale a pena prestar atenção à imunoterapia. Benedetto Farsaci, um oncologista da GlaxoSmithKline em Collegeville, Pensilvânia, lembrou o ceticismo que ele e muitos outros enfrentaram há pouco mais de uma década, quando ele trabalhava nos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, tentando impulsionar o campo.

“Nós fomos chamados de cowboys da ciência”, diz ele. Agora, “o campo está tão alterado que os pacientes são avaliados como potencialmente responsivos à imunoterapia ou não”. Merad acrescenta que novos médicos também estão sendo treinados em imunoterapia. “Eles têm que aprender a usar essas drogas”, diz ela.

A ciência denominou a imunoterapia contra o câncer como a Avanço do Ano em 2013. Uma visão geral do campo está nesta edição especial de março de 2018.

A vitória do Prêmio Nobel de Medicina parece pronta para impulsionar o campo e levar os cientistas a considerarem o potencial mais amplo da imunoterapia.

“Haverá muito mais camadas para a biologia”, diz a Dra. Shannon Turley, uma imunologista de câncer que se mudou para a Genentech em 2014, do Instituto de Câncer Dana Farber, em Boston. Turley observa que a estratégia pode ir além do câncer. “Também poderia ter um enorme impacto sobre doenças auto-imunes”, diz ela.

Fonte: Science

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More