Meta-análise encontra relação entre concentração de lítio na água e taxas de suicídio – Entenda!

0 258

O lítio – o mais leve de todos os elementos sólidos – não alimenta apenas baterias recarregáveis. Traços de lítio permeiam praticamente todas as rochas do nosso planeta e são encontrados em nosso suprimento de comida e água. De acordo com uma nova análise, essa presença invisível pode ter um efeito mensurável em nossas vidas.

Durante décadas, o lítio tem sido um medicamento que salva vidas para pessoas com transtornos do humor, principalmente bipolar, com capacidade comprovada de estabilizar o humor e redução do risco de suicídio nesses pacientes altamente vulneráveis.

As doses usadas na psiquiatria são relativamente altas – pelo menos 200 miligramas por dia, e os efeitos colaterais devem ser cuidadosamente monitorados. Mas algumas pesquisas indicaram que mesmo as microdoses do elemento, apenas 400 microgramas por dia, podem produzir uma melhora no humor (existem 1.000 microgramas em um miligrama).

Desde a década de 1990, os cientistas se perguntam se o lítio que ocorre naturalmente no abastecimento de água potável em todo o mundo poderia produzir efeitos no nível de toda a população – taxas mais baixas de suicídio, diminuição da violência e ainda menos demência.

Ao longo dos anos, vários estudos observacionais ou ecológicos sugeriram uma associação entre níveis mais altos de lítio no abastecimento público de água e taxas mais baixas de mortalidade por suicídio na população local.

Agora, uma equipe de pesquisadores do Reino Unido produziu a primeira meta-análise de tais estudos.

Legalização do casamento homossexual diminuiu tentativas de suicídio nos EUA

O estudo confirmou esse link. Não sabemos por que isso pode acontecer, mas é um caminho curioso a ser trilhado.

“É promissor que níveis mais altos de lítio na água potável possam exercer um efeito anti-suicida e ter potencial para melhorar a saúde mental da comunidade”, diz o principal autor da revisão, o epidemiologista Dr. Anjum Memon da Brighton and Sussex Medical School.

A equipe pesquisou minuciosamente a literatura, terminando com 15 estudos que eles usaram em uma síntese qualitativa, reduzida ainda mais para uma meta-análise de nove estudos.

No total, suas análises incluíram dados de 1.286 localidades no Japão, Áustria, EUA, Inglaterra, Grécia, Itália e Lituânia. Os níveis médios de lítio encontrados nas amostras de água potável variaram de apenas 3,8 microgramas por litro (μg/L) a 46,3 μg/L, com algumas comunidades atingindo um pico acima de 80 μg/L.

Uma extensa análise dos números revelou que níveis mais altos de lítio que ocorrem naturalmente na água potável estavam realmente ligados a níveis mais baixos de mortalidade por suicídio na área – o que é conhecido como associação inversa.

Obviamente, como em qualquer análise complexa da literatura disponível, os resultados vêm com advertências importantes. A equipe enfatiza que estudos ecológicos são conduzidos para gerar hipóteses – em vez de serem uma resposta, eles estão apenas fazendo a pergunta.

“Eles estão sujeitos a confusão, pois as informações sobre possíveis fatores de confusão podem não estar disponíveis e as associações no nível da população não representam necessariamente associações no nível individual (falácia ecológica)”, eles escrevem.

Detalhes sobre classes sociais, a prevalência de transtornos mentais em uma população e até a quantidade de pessoas que se deslocam podem afetar os resultados observacionais, sem mencionar o fato de que também recebemos lítio da nossa comida – e esse impacto não foi investigado.

Um terço do mundo não tem água potável em casa – Saiba mais!

“Além disso, a água potável engarrafada (água mineral processada / tratada ou natural das nascentes) geralmente tem um teor de lítio muito maior do que a água da torneira – a associação entre a exposição ao lítio via água engarrafada e o suicídio ainda não foi estudada”, observa a equipe.

À luz de suas descobertas, os pesquisadores recomendam ensaios clínicos randomizados para suplementar o suprimento de água com lítio, como “um possível meio de testar a hipótese”, juntamente com pesquisas sobre fontes alimentares de lítio.

Leia mais

Os cientistas ainda estão trabalhando para pintar a imagem completa de como o lítio funciona, por que ele pode ter um efeito tão benéfico nos níveis de humor de alguém e se os efeitos anti-suicidas do elemento são totalmente separados.

Obviamente, para alguns, isso soará inevitavelmente como o início de uma conspiração do governo. Mas há muitos especialistas dispostos a pedir cautela antes de iniciar qualquer teste de suplementação e ainda há muitos dados a serem coletados.

E se não fizermos as perguntas, não podemos esperar uma resposta.

A revisão foi publicada no The British Journal of Psychiatry.

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais