Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Ir para Marte pode ser muito perigoso para os astronautas – Saiba o motivo!

0 329

A NASA está planejando enviar astronautas a Marte nos próximos 15 a 20 anos. A China disse que espera enviar pessoas entre 2020 e 2030, e mesmo a Rússia está com planos de colocar as botas no planeta vermelho.

Enquanto isso, o fundador da SpaceX, Elon Musk, está tentando reduzir o custo do voo espacial o suficiente para começar a estabelecer uma colônia permanente marciana de 1 milhão de pessoas o mais rápido possível.

Mas se um estudo da exposição à radiação em camundongos tem alguma influência sobre os seres humanos, ir a Marte pode ser muito mais perigoso do que alguém esperava.

Os problemas começam com os raios cósmicos, conforme detalhado em um estudo da Nature.

O perigo dos raios cósmicos

Os raios cósmicos são partículas atômicas e subatômicas de alta energia que são expulso de estrelas explosivas, buracos negros e outras fontes poderosas no espaço.

Os raios podem danificar o DNA, aumentar o risco de câncer, levar a cataratas prejudiciais para a visão, causar danos ao sistema nervoso e dar origem a problemas de circulação sanguínea, entre outros efeitos na saúde em astronautas.

O campo magnético da Terra desvia uma grande quantidade de radiação espacial, o que ajuda a proteger os astronautas na Estação Espacial Internacional – o que orbita apenas 250 milhas (402 km) acima do planeta.

Em uma viagem a Marte, no entanto, as pessoas estariam desprotegidas para os raios cósmicos. O cientista de saúde Dr. Frank Cucinotta e Dra. Eliedonna Cacaoat, da Universidade de Nevada, Las Vegas investigaram esse problema reexaminando os resultados de quatro estudos anteriores de tumores em camundongos.

Além de procurar os efeitos do golpe direto de um raio cósmico nas células, o que poderia estimulá-los a desenvolver câncer, os pesquisadores também analisaram a forma como os efeitos secundários podem causar danos.

O que eles encontraram é um risco de câncer no espaço (pelo menos para ratos) duas vezes maior que as estimativas anteriores.

Leia mais

Por que as viagens no espaço podem ser mais perigosas do que o esperado?

Os pesquisadores pensam que este elevado risco de câncer se resume a como DNA danificado se espalha por todo o corpo.

Os pesquisadores sabem que os astronautas recebem exposição de radiação muito maior do que nós que permanecemos na Terra, uma vez que a atmosfera do planeta absorve muita energia nociva.

Quando uma célula é atingida por um raio cósmico, não apenas mantém a mudança em si mesma. Ele pode liberar sinais químicos para outras células, o que pode desencadear células saudáveis ​​próximas a se transformarem em câncer.

Os modelos anteriores não haviam realmente representado esse efeito de dominó.

Ainda mais preocupante, o tipo de radiação responsável por causar o efeito foi “apenas modestamente diminuído pela proteção pessoal contra radiação”, escreveram Cucinotta e Cacao em seu estudo.

A exploração humana de Marte não precisa parar antes de começar.

Agências espaciais e empresas privadas estão trabalhando ativamente para mitigar a radiação espacial.

Uma startup israelita está desenvolvendo um colete de corpo projetado para absorver mais completamente a radiação.

Um cientista da NASA recentemente lançou a ideia de implantar um satélite que servisse como um escudo magnético artificial para desviar a radiação prejudicial em torno de Marte.

E, como observaram os pesquisadores em seu estudo, existem “diferenças significativas” entre as taxas de câncer em ratos e as que realmente são vistas nas pessoas.

Mas os cientistas acrescentam que esta lacuna de conhecimento precisa ser melhor analisada e estudada antes das viagens para Marte.

Este artigo foi originalmente publicado pelo Business Insider.