Mitos e verdades sobre a fertilidade masculina – Confira!

0 269

Você sabia que um homem adulto médio produz aproximadamente o mesmo número de espermatozóides morfologicamente normais por dia que um hamster, apesar de ter testículos dez vezes o tamanho? Esse fato destaca um problema que dificulta as pesquisas sobre a fertilidade masculina. Os homens são realmente ineficientes na produção de esperma.

A fertilidade masculina pode ser um fator muito estressante na vida de casais que desejam ter filhos. Mas esse tema também pode causar dor de cabeça para pesquisadores e cientistas.

Como escreve o pesquisador de infertilidade Dr. Richard Sharpe, “a baixa qualidade média do sêmen humano, combinada com a grande variação natural na qualidade de sêmen entre indivíduos (e até mesmo entre ejaculações do mesmo indivíduo), significa que estudos transversais em homens enfrentam uma tarefa árdua quando tentam estabelecer se a ocupação, estilo de vida ou outras exposições ambientais são capazes de afetar a produção ou a qualidade do esperma.”

Isso significa que, embora possamos detectar grandes alterações na quantidade ou qualidade do esperma, alterações mais sutis nas características espermáticas são distinguíveis apenas em grandes estudos.

Infelizmente, estudos desse tamanho são caros e complexos e, portanto, raros. No entanto, podemos analisar as tendências gerais da literatura científica e tirar algumas conclusões sobre quais facetas da vida provavelmente influenciam na fertilidade masculina.

O que provavelmente afeta a fertilidade masculina

Maconha

De acordo com uma revisão científica de 2015, “está claro que a maconha e seus compostos podem influenciar a fertilidade masculina em vários níveis”. Especificamente, a maconha pode causar diminuição da densidade espermática e baixa motilidade.

Cocaína

Assim como a maconha, o uso de cocaína está associado a uma baixa contagem de espermatozóides, baixa motilidade e altas concentrações de espermatozóides anormais.

Cigarros

Uma meta-análise de 1994 descobriu que a densidade espermática dos fumantes é, em média, 13% a 17% menor que a dos não-fumantes, embora os pesquisadores não tenham conseguido identificar uma relação dependente da dose (número de cigarros fumados por dia) e a densidade espermática. Os efeitos do fumo nos espermatozóides parecem cruzar gerações também. “Após o ajuste de alguns fatores, os homens expostos ao cigarro no útero tiveram uma redução na concentração de esperma de 20,1%, e uma redução na contagem total de esperma de 24,5%”. Mais uma razão para encorajar as mães a não fumar.

Calor

Muitas das pesquisas sobre como os estilos de vida podem afetar a fertilidade masculina dizem respeito a várias maneiras pelas quais os testículos de uma pessoa podem ser aquecidos. Os testículos humanos geralmente são mantidos a 35°C, cerca de dois graus mais frios que a temperatura corporal, e têm uma capacidade impressionante de termorregulação. Os testículos são cobertos pelo músculo cremaster, que involuntariamente se contrai ou relaxa para aproximar os testículos do corpo para aquecer ou afastá-los do corpo para esfriar.

Isso acaba sendo muito importante porque um aumento na temperatura escrotal de apenas alguns graus pode inibir a espermatogênese e causar infertilidade. Um estudo expôs os testículos dos participantes à radiação de microondas por trinta minutos a cada três semanas. Os resultados foram temperaturas intratesticulares de 40 a 42°C e infertilidade. Um estudo diferente teve participantes usando jockstraps isolados por seis a catorze semanas. Da mesma forma, encontrou uma diminuição na contagem total de espermatozóides após três semanas de uso.

Outro estudo testou doze homens e descobriu que a exposição a uma sauna por um total médio de 2h24min a cada duas semanas diminuiu a contagem de espermatozóides em um máximo de 50%.

Mieusset et al. tomou a temperatura escrotal de 187 homens e descobriu que “os valores médios da temperatura escrotal dos homens inférteis eram significativamente maiores do que os observados nos homens férteis (+ 0,4°C)”. Além disso, vários estudos descobriram diminuição da fertilidade em homens cujas ocupações os expõem ao calor, como padeiros, soldadores ou trabalhadores de fornos.

Leia mais

Felizmente, esses efeitos parecem ser reversíveis

Um estudo de 2007 envolveu onze homens que usavam banheiras de hidromassagem ou tomavam banhos quentes por pelo menos trinta minutos por semana. Três meses após as instruções para pararem de se expor a essas fontes de calor, cinco dos onze pacientes tiveram um aumento médio na contagem total de espermatozóides móveis de 491%. Neste estudo em particular, parece provável que os que não responderam à interrupção do calor estavam experimentando efeitos de infertilidade do tabagismo, pois eram fumantes.

Mais estudos sobre o calor

Os estudos de Rock e Robinson descobriram que eram necessárias de dez a doze semanas para que a contagem de esperma retornasse ao normal após a interrupção do calor. Um dos melhores estudos sobre a recuperação de espermatozóides após exposição ao calor foi realizado em 1963 por Tokuyama. Ele descobriu que “trinta minutos de aquecimento escrotal de 43 a 47°C induziam uma queda na contagem de esperma em 18 indivíduos normais, seguida de uma rápida recuperação das contagens de pré-tratamento em 4 semanas”.

Um ditado comum adverte os homens a não colocarem seus laptops no colo, para que o calor do computador não cause infertilidade. Acontece que pode haver um pouco de verdade nisso. Há uma certa quantidade de calor gerado simplesmente sentando-se com as pernas fechadas. Em um estudo de 2004, a temperatura escrotal aumentou 2,1 °C quando os homens sentaram com as coxas se tocando por sessenta minutos. Isso provavelmente explica por que os homens que ficam sentados por longos períodos apresentam taxas aumentadas de infertilidade. Sentar com um laptop aumenta ainda mais a temperatura dos testículos.

Estresse psicológico

Vários estudos descobriram que tanto a quantidade quanto a qualidade do esperma sofrem quando um homem é exposto a eventos estressantes.

Infelizmente, a infertilidade relacionada ao estresse provavelmente se agrava quando outros problemas de fertilidade devido a preocupações em não conseguir ter filhos, criando um ciclo de feedback positivo.

Um artigo de revisão deste ano constatou que “o trauma físico e psicológico da guerra pode aumentar o risco de problemas de fertilidade masculina e feminina”. A exposição à guerra pode ser um fator de risco independente para infertilidade nos homens.

O que pode afetar a fertilidade mas precisa ser melhor estudado

Roupas apertadas

É o aquecimento dos testículos que leva à ideia de que cuecas ou calças justas podem causar infertilidade. Estudos mostraram que, ao usar roupas íntimas apertadas, as temperaturas testiculares aumentam. Dependendo do tipo de roupa usada e da postura adotada, o aumento pode variar de 0,5 °C a 0,8 °C.

A verdadeira questão é se esse aquecimento é suficiente para realmente causar infertilidade e, infelizmente, ainda não temos resposta para isso.

Felizmente, estudos futuros examinarão se as pequenas mudanças de temperatura nos testículos induzidas por roupas apertadas são capazes de influenciar a fertilidade masculina. Por enquanto, se você está realmente preocupado com isso, mude seu estilo para cuecas mais largas.

Peso

Pelo menos um estudo encontrou uma resposta dependente da dose entre o índice de massa corporal masculino (IMC) e a infertilidade. Outra pesquisa mostrou efeitos negativos na qualidade do sêmen associados aos IMCs acima ou abaixo da faixa “normal”.

Época do ano

Ao contrário da maioria dos mamíferos, os seres humanos não são procriadores sazonais. No entanto, estudos descobriram diferenças na contagem de espermatozóides quando as amostras são coletadas no inverno versus no verão.

Um estudo publicado em 1990 comparou amostras de esperma colhidas no verão e inverno de 131 homens e constatou uma redução média de 30% na contagem de espermatozóides no verão versus inverno.

Da mesma forma, um estudo de 2001 encontrou uma redução de 28% na contagem de espermatozóides no verão, em comparação com o inverno. Somente mais pesquisas nos dirão se esses resultados são simplesmente devidos ao aumento do calor ou a algum vestígio das preferências sazonais anteriores.

O que provavelmente não afeta a fertilidade masculina

Sexo frequente (incluindo masturbação)

Se você já foi instruído a evitar a masturbação ou o sexo para não ficar sem esperma, tenho boas notícias: isso é quase impossível.

Um homem humano produz cerca de 1.500 espermatozóides por segundo, tornando quase impossível ejacular em branco. Um estudo constatou que “a frequência média de ejaculação estava significativamente correlacionada positivamente com a motilidade do esperma”. Portanto, pelo menos até um certo nível, a ejaculação frequente pode realmente ajudar na infertilidade.

No entanto, o mesmo estudo também descobriu que a frequência da ejaculação estava “inversamente relacionada à proporção de espermatozóides com morfologia e volume de sêmen anormais”.

Beber moderadamente

Enquanto o consumo excessivo de álcool está envolvido em questões de fertilidade, o consumo leve, moderado ou “social” não parece ser. Como um pesquisador disse: “Parece que a exposição moderada [ao álcool], no grau experimentado pela população em geral, não é suficiente para explicar o estado infértil”.

Portanto, se você está tentando ter um filho, pode ser uma boa ideia soltar a cueca e tomar um banho quando estiver muito quente. Mas pelo menos você ainda pode beber com segurança um copo ou dois (mas não muitos!).

As fontes de todos os artigos científicos estão linkadas no texto.

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais