Porque o exército americano gasta US$ 84 milhões com viagra?

0 360

Em meio ao anúncio do presidente dos EUA, Donald Trump, no Twitter, que os transgêneros não poderão servir no exército americano, uma estatística foi levantada para chamar a atenção para o peso que os cuidados de saúde dos transgêneros significaria.

O Pentágono gasta anualmente em medicamentos de disfunção erétil: cerca de US $ 84 milhões (R$ 250 milhões), de acordo com o jornal Military Times.

Em contraste, o grupo de pesquisa da Rand Corporation estimou no ano passado que os custos de cuidados de saúde relacionados à transição de gênero para o pessoal transgênero aumentariam o orçamento de saúde em US $ 8,4 milhões por ano no máximo.

Mas por que o departamento de defesa dos EUA gasta tanto em drogas de disfunção erétil?

Em primeiro lugar, vale ressaltar que o relatório do Military Times de fevereiro de 2015 baseou sua figura em dados de 2014 da Agência de Saúde da Defesa.

O gasto de US $ 84,2 milhões foi para esse ano, mas o jornal também informou que US $ 294 milhões foram gastos em Viagra, Cialis e outros medicamentos desde 2011.

Em 2014, cerca de 1,18 milhões de prescrições foram preenchidas, principalmente para o Viagra. Mas para quem eram? A resposta explica de certa forma o gasto maciço.

É verdade que algumas das medicações de disfunção erétil foram para o pessoal em serviço ativo.

Mas a grande maioria foi para outros grupos elegíveis, incluindo milhões de aposentados militares e seus familiares.

Leia mais

a verdade, cerca de 10 milhões de pessoas no total são estimadas como cobertas pelo sistema de saúde do Pentágono, que custou US $ 52 bilhões em 2012.

É bem sabido que a disfunção erétil é mais comum entre os homens mais velhos – o que explicaria uma forte conta para os membros do serviço aposentado.

Na verdade, menos de 10% das receitas eram para pessoal em serviço ativo, de acordo com o Military Times.

Danos psicológicos

Um estudo de 2014 do Departamento de Vigilância da Saúde das Forças Armadas (AFHSB) descobriu que 100.248 casos de disfunção erétil foram diagnosticados entre os membros do serviço ativo entre 2004 e 2013, com “taxas de incidência anual” mais que dobrando nesse período de tempo.

Quase metade de todos os casos foram devidos a causas psicológicas, de acordo com o estudo.

Um estudo publicado no Journal of Sexual Medicine em 2015 descobriu que os veteranos do sexo masculino com transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) eram “significativamente mais propensos do que seus homólogos civis a relatar disfunção erétil ou outros problemas sexuais”, de acordo com o Departamento de Veteranos dos EUA.

Um estudo citado descobriu que 85% dos veteranos de combate masculinos com TEPT relatam disfunção erétil, quase quatro vezes a taxa entre aqueles que retornam do combate e que não são diagnosticados com transtorno de saúde mental.

Em 2008, a Rand Corporation informou que um em cinco veteranos dos EUA nas guerras no Iraque e no Afeganistão sofria de TEPT ou depressão maior.

Em 2007, estimava-se que a prevalência de disfunção erétil entre os homens norte-americanos fosse de 18%.

Fonte: BBC

Comentários

Loading...