Turista cai em vulcão ativo no Havaí – Saiba mais!

0 398

Na semana passada, um visitante do Parque Nacional dos Vulcões do Havaí caiu 20 metros na caldeira ou cratera de Kīlauea. Ou seja, ele caiu em um dos vulcões mais ativos do planeta.

A boa notícia é que, depois de ser levado de helicóptero para o hospital, ele sobreviveu para contar a história. Segundo relatos, o paciente está em uma condição estável, embora só o tempo vai dizer quais lesões este incidente lamentável lhe deixou.

De acordo com um comunicado divulgado pelo National Park Service, no dia 1 de maio, por volta das 18h30, o homem – identificado apenas como uma pessoa de 32 anos – tropeçou e perdeu o equilíbrio depois de subir em uma grade permanente de metal instalada para segurança.

Duas horas e meia depois, às 21h, ele foi encontrado por socorristas, que o descobriram vivo, mas gravemente ferido, em uma estreita borda de penhasco de 20 metros por uma queda de 90 metros.

Kīlauea pode ser o vulcão mais jovem e mais ao sudeste do Havaí, mas também é um dos “vulcões mais ativos do mundo e pode até estar no topo da lista”, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Felizmente, o vulcão não estava em erupção na semana passada. De fato, nos últimos oito meses, a atividade sísmica, a deformação e a emissão de gases foram relativamente baixas – mesmo que Kīlauea continue a ser um vulcão ativo.

Isso segue a mega erupção que ocorreu no ano passado: uma erupção que produziu 113.500.000 metros cúbicos de lava em um mês. Isso equivale a 45.500 piscinas olímpicas e é suficiente para enterrar a totalidade de Manhattan em 2 metros de magma.

A escala e a intensidade da erupção resultaram na criação de uma ilha-bebê, um novo litoral, vários “barcos de lava” e seus próprios fenômenos meteorológicos, com nuvens de trovoadas.

Mas de volta ao acidentado. Sua história é uma boa lição para não escalar o corrimão que foi instalado para proteger sua segurança – não importa o quão sedutora seja a vista. Várias pessoas morreram tentando tais proezas, a mais recente fatalidade neste parque em particular ocorrendo em 29 de outubro de 2017.

“Os visitantes nunca devem cruzar barreiras de segurança, especialmente em torno das bordas perigosas e desestabilizadas do penhasco”, disse o chefe dos guardas florestais, John Broward.

“Atravessar barreiras de segurança e entrar em áreas fechadas pode resultar em ferimentos graves e morte.”

Leia mais

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More