“Isso é incrível” diz cientista após descoberta sobre doença de Alzheimer

0 3




Algumas pessoas super idosas são imunes à perda de memória associada com a doença de Alzheimer, revelou estudo.

Pesquisadores da Northwestern University examinaram os cérebros de oito pessoas com mais de 90 anos que foram notavelmente inteligentes até suas mortes.

Para surpresa, exames cerebrais revelaram que todos eles tinham placas difundidas e densas em todo seu cérebro.
Em outras palavras: todos tinham a doença de Alzheimer.

“Isso é incrível”, disse o investigador Dr. Changiz Geula. “Nunca esperávamos isso.”

“Ele nos diz que existem alguns fatores que estão protegendo seus cérebros e memórias contra a doença de Alzheimer”.

Doença de Alzheimer

Leia mais

Placas extensas e emaranhadas no cérebro resultam na morte de neurônios e são um indicador da demência de Alzheimer.

O fato mostra que alguns idosos com a patologia ainda tinha pontos de memória superior devido a mecanismos que protegem seus neurônios e memória.

A descoberta destes mecanismos é susceptível de ajudar o desenvolvimento de terapias contra a doença de Alzheimer.

“Agora temos que buscar fatores que protejam esses idosos contra a perda de memória”, disse Dr. Geula. “Vamos examinar as influências genéticas, alimentares e ambientais que poderiam conferir proteção aos neurônios contra a doença de Alzheimer”.

Se os cientistas encontrarem um fator ambiental protetor, ele poderia ajudar os idosos normais e aqueles com a doença de Alzheimer.

O estudo

Os pesquisadores estudaram os cérebros de oito indivíduos com mais de 90 anos que foram selecionados por terem desempenho superior em testes de memória em comparação com seus pares de mesma idade que tinham um desempenho de teste de memória normal.

Três desses cérebros qualificaram patologicamente como tendo a doença de Alzheimer, apesar do desempenho de memória superior dos indivíduos quando estavam vivos.

Quando eles examinaram as células nervosas no hipocampo, a parte do cérebro que é responsável pela formação de memória, eles descobriram que células nesta área estavam relativamente intactas em cérebros de idosos com plena doença de Alzheimer e desempenho de memória superior.

Eles também examinaram cinco cérebros de pacientes com demência de Alzheimer com patologia completa de Alzheimer. Esses cérebros mostraram morte celular significativa no hipocampo.

Um padrão semelhante foi observado em outras áreas do cérebro que controlam a função cognitiva.

“Essas descobertas demonstram claramente que os cérebros de alguns idosos são imunes aos efeitos tóxicos de placas e emaranhados”, disse Dr. Geula.

O laboratório do Dr. Geula está agora embarcando em um estudo de larga escala para determinar os fatores, incluindo fatores genéticos, que ajudam a proteger os cérebros de alguns idosos contra a doença de Alzheimer.

 

Fonte: Daily Mail

Comentários

Loading...