Qual benefício para crianças que tocam instrumentos musicais?

0 23

Em um estudo equipe de psiquiatria infantil descobriu que o treinamento musical pode também ajudar as crianças a centrar a sua atenção, controlar suas emoções e diminuir sua ansiedade.

A medida que as crianças crescem, o córtex – a camada mais externa do cérebro – sofre alterações na espessura. Na análise prévia dos dados de ressonância magnética, Hudziak e sua equipe descobriram que o espessamento cortical em áreas específicas do cérebro refletiu a ocorrência de ansiedade e depressão, problemas de atenção, agressividade e problemas de controle de comportamento, mesmo em crianças saudáveis ​​- aqueles sem diagnóstico de um distúrbio ou doença mental. Com este estudo, Hudziak queria ver se uma atividade positiva, como a formação de música, iria influenciar esses indicadores no córtex.

O estudo apoia a abordagem baseada Vermont Família, um modelo Hudziak criado para estabelecer que a totalidade do ambiente de uma pessoa jovem – pais, professores, amigos, animais de estimação, atividades extracurriculares – contribui para a sua saúde psicológica. “A música é um componente crítico no meu modelo”, diz Hudziak.

Os autores encontraram evidências de que eles esperavam – que tocar música alterou as áreas motoras do cérebro, porque a atividade exige controle e coordenação do movimento. Ainda mais importante para Hudziak foram mudanças nas áreas de regulação do comportamento do cérebro. Por exemplo, a prática de música influenciou na espessura na parte do córtex que se relaciona com “funcionamento executivo, incluindo a memória de trabalho, controle da atenção, bem como a organização e planejamento para o futuro”, escrevem os autores.

Fundo musical de uma criança também parece correlacionar-se com a espessura cortical em “áreas do cérebro que desempenham um papel crítico no controle de inibidor, bem como os aspectos de processamento de emoção.”

As descobertas reforçar a hipótese de Hudziak que um violino pode ajudar muit mais contra distúrbios psicológicos do que um frasco de comprimidos. “Nós tratamos as coisas que resultam de coisas negativas, mas nunca usamos coisas positivas como tratamento”, diz ele.

Leia mais

Tal abordagem pode revelar-se difícil de realizar. De acordo com os autores do estudo, a pesquisa do Departamento de Educação EUA indica que três quartos dos norte-americanos estudantes do ensino médio “raramente ou nunca” tiveram aulas extracurriculares na música ou artes.

“Tais estatísticas, quando tomado no contexto dos nossos resultados de neuroimagem atuais”, escrevem os autores, “sublinham a importância vital de encontrar maneiras novas e inovadoras para fazer o treinamento de música mais amplamente disponível para os jovens, começando na infância.”

Fonte: Science daily

Comentários

Loading...