Grande estudo liga variantes genéticas ao comportamento homossexual

0 443

A influência dos genes na orientação sexual provocou debate por pelo menos um quarto de século. Mas os geneticistas tinham poucos e insufientes estudos para abordar uma área complexa, carregada e muitas vezes estigmatizada do comportamento humano.

Agora, o maior estudo já feito sobre a genética da orientação sexual revelou quatro variantes genéticas fortemente associadas ao que os pesquisadores chamam de comportamento não-heterossexual.

Alguns geneticistas estão elogiando as descobertas como um passo cauteloso mas significativo na compreensão do papel dos genes na sexualidade. Outros questionam a sabedoria de fazer a pergunta em primeiro lugar.

Dra. Andrea Ganna, pesquisadora do Instituto Broad, em Cambridge, Massachusetts, e da Harvard Medical School, em Boston, e colegas examinaram dados de centenas de milhares de pessoas que forneceram informações genéticas e comportamentais para dois grandes levantamentos genéticos, o estudo britânico Biobank e a empresa privada de genética 23andMe.

Eles analisaram marcadores de DNA de pessoas que responderam “sim” ou “não” à pergunta: “Você já teve relações sexuais com alguém do mesmo sexo?” No total, eles identificaram 450.939 pessoas que disseram que suas relações sexuais eram exclusivamente heterossexuais. e 26.890 pessoas que relataram pelo menos uma experiência homossexual.

Na palestra no encontro anual da Sociedade Americana de Genética Humana, ela enfatizou que os pesquisadores são cautelosos sobre explorar comportamentos sexuais que ainda são ilegais em muitos países, e que eles tentaram enquadrar suas perguntas cuidadosamente “para evitar uma caça às bruxas”.

A equipe, que inclui cientistas comportamentais, pré-registrou seu projeto de pesquisa e também se reuniu regularmente com membros da comunidade LGBT para discutir e compartilhar resultados.

Dra. Ganna reconheceu que o que eles chamam de “comportamento não heterossexual” inclui “um amplo espectro de experiências sexuais, que vão desde pessoas que se dedicam exclusivamente ao comportamento do mesmo sexo àquelas que poderiam ter experimentado uma ou duas vezes”.

O estudo

Os pesquisadores realizaram um estudo de associação genômica ampla (GWAS), no qual eles procuraram variações específicas no DNA que eram mais comuns em pessoas que relataram pelo menos uma experiência sexual com pessoas do mesmo sexo. Eles identificaram quatro variantes nos cromossomos 7, 11, 12 e 15, respectivamente.

Duas variantes foram específicas para homens que relataram experiência sexual com pessoas do mesmo sexo. Um deles, um aglomerado de DNA no cromossomo 15, já foi encontrado para prever a calvície de padrão masculino. Outra variante do cromossomo 11 situa-se em uma região rica em receptores olfativos. Dra. Ganna observou que o olfato desempenha um grande papel na atração sexual.

Leia mais
DNA
Quatro regiões podem estar associadas ao comportamento homossexual.

Estudo anterior

Um estudo muito menor de 1993, que usou um tipo diferente de técnica de associação conhecida como estudo de ligação genética, sugeriu que um trecho de DNA no cromossomo X estava ligado à homossexualidade herdada.

Nos novos GWAS, esse trecho não foi associado com o comportamento homossexual. Mas o principal autor do estudo anterior, Dr. Dean Hamer, então do National Institutes of Health, elogiou o novo trabalho. “É importante estudos nessa área [à genética da orientação sexual] com amostras grandes e instituições e pessoas sólidas”, disse ele. “Esse é exatamente o estudo que gostaríamos de ter feito em 1993.”

As quatro variantes genéticas recentemente identificadas também foram correlacionadas com alguns distúrbios de humor e de saúde mental. Tanto homens como mulheres com as variantes tinham maior probabilidade de sofrer de transtorno depressivo maior e esquizofrenia, e as mulheres eram mais propensas a ter transtorno bipolar. Ganna enfatizou que esses achados não devem ser tomados como significando que as variantes causam os distúrbios. Em vez disso, “pode ser porque os indivíduos que se envolveram em comportamentos não heterossexuais são mais propensos a serem discriminados [contra], e são mais propensos a desenvolver depressão”, disse ela.

Ganna notou que a correlação com a esquizofrenia e o comportamento de assumir riscos era mais pronunciada nos participantes do Biobank no Reino Unido, que tendem a inclinar-se mais do que os do grupo 23andMe. Isso pode ser porque as gerações mais velhas enfrentam mais discriminação sexual do que as mais jovens, disse Ganna, observando que o ambiente provavelmente desempenha um papel significativo no qual as características acabam correlacionando-se com a orientação sexual.

Conclusão

No geral, ele disse que as descobertas reforçam a ideia de que o comportamento sexual humano é complexo e não pode ser fixado em nenhuma simples parte do DNA. “Tenho o prazer de anunciar que não existe um ‘gene gay'”, disse Ganna. “Em vez disso, a ‘não heterossexualidade’ é em parte influenciada por muitos efeitos genéticos minúsculos”.

Ganna disse à Science que os pesquisadores ainda não amarraram as variantes genéticas a genes verdadeiros, e não está claro se eles se encaixam em trechos codificados ou não-codificantes do DNA. Tentar definir exatamente o que essas regiões de DNA fazem estará entre os próximos passos difíceis da equipe.

“É um sinal intrigante”, disse ela. “Não sabemos quase nada sobre a genética do comportamento sexual, então em qualquer lugar é um bom lugar para começar.”

Ela acrescentou que as quatro variantes genéticas não poderiam prever com segurança a orientação sexual de alguém. “Não há realmente nenhum poder de previsão”, disse ele.

Qual a razão desse estudo?

Dada a complexidade do comportamento sexual humano, muito do que não é captado nas questões do estudo, a estudante de informática biomédica Nicole Ferraro, da Universidade de Stanford, em Palo Alto, Califórnia, questionou a utilidade do trabalho. Ela e seu colega de graduação em ciências biomédicas, Kameron Rodrigues, disseram que o estudo não fez o suficiente para explorar as nuances de como a identidade sexual é diferente do comportamento sexual, e temiam que o estudo pudesse ser usado para estigmatizar membros da comunidade LGBTQ. “Parece que não há benefício que possa vir desse tipo de estudo, apenas dano”, disse Rodrigues.

O resumo da palestra de Ganna fez referência a outro resultado provocativo: pessoas heterossexuais que possuem essas mesmas quatro variantes genéticas tendem a ter mais parceiros sexuais, sugerindo que os genes associados podem conferir alguma vantagem de acasalamento aos heterossexuais. Isso poderia ajudar a explicar por que essas variantes podem permanecer nas populações, mesmo que as pessoas atraídas pelo mesmo sexo tendam a ter menos filhos que os heterossexuais. Ganna não mencionou essa descoberta em sua palestra, alegando falta de tempo.

Essa foi provavelmente uma escolha sábia, disse o geneticista Chris Cotsapas, da Escola de Medicina de Yale, porque as implicações evolutivas não foram confirmadas. “As pessoas vão simplificá-lo para dizer: ‘Os genes gays ajudam as pessoas a terem mais sexo’ e não é tão simples assim”, disse ele.

No geral, as descobertas foram “cuidadosamente apresentadas com cautela”, disse Cotsapas, e representam um bom começo para os geneticistas mapearem as complexidades da sexualidade humana.

Fonte: SCIENCE

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More