Humanos e macacos possuem padrões de raciocínio parecidos – Entenda!

0 230

Humanos e macacos podem não falar a mesma linguagem, mas nossas formas de pensar são muito mais parecidas do que se pensava, de acordo com uma nova pesquisa da UC Berkeley, Harvard University e Carnegie Mellon University.

Os experimentos com participantes indígenas Tsimane da floresta amazônica boliviana e macacos americanos mostraram, em graus variados, um talento especial para a “recursão”. Esse é um processo cognitivo de organizar palavras, frases ou símbolos de uma maneira que ajude a transmitir comandos, sentimentos e ideias complexas.

Os resultados foram publicados na revista Science Advances. Os resultados lançam uma nova luz sobre a nossa compreensão da evolução da linguagem, disseram os pesquisadores.

“Pela primeira vez, temos fortes evidências empíricas sobre padrões de pensamento que chegam naturalmente a provavelmente todos os seres humanos e, em menor grau, a primatas não humanos”, disse o co-autor do estudo Dr. Steven Piantadosi, professor assistente de psicologia da UC Berkeley.

De fato, descobriu-se que os macacos tiveram um desempenho muito melhor nos testes do que os pesquisadores haviam previsto.

“Nossos dados sugerem que, com treinamento suficiente, os macacos podem aprender a representar um processo recursivo, o que significa que essa capacidade pode não ser tão única para os seres humanos quanto se pensa”, disse Dr. Sam Cheyette, estudante de Ph.D. do laboratório do Dr. Piantadosi e co-autor do estudo.

Conhecidas na linguística como “estruturas aninhadas”, frases recursivas dentro de frases são cruciais para a sintaxe e a semântica na linguagem humana. Um exemplo simples é uma canção de ninar britânica que fala sobre “o cachorro que preocupou o gato que matou o rato que comeu o malte que estava na casa que Jack construiu”.

Os pesquisadores testaram as habilidades recursivas de 10 adultos dos EUA, 50 pré-escolares e pré-escolares, 37 membros do Tsimane e três macacos.

Primeiro, todos os participantes foram treinados para memorizar diferentes sequências de símbolos em uma ordem específica.

Especificamente, eles aprenderam sequências como {()} ou {[]}, que são análogas a algumas estruturas aninhadas linguísticas.

Macacos do Panamá estão entrando na Idade da Pedra – Entenda!

Os participantes dos EUA e dos macacos usaram um grande monitor de tela sensível ao toque para memorizar as sequências. Eles ouviram um sinal sonoro se obtiverem um símbolo no lugar certo, uma campainha se eles entendessem errado e um sinal sonoro se toda a sequência estivesse correta. Os macacos receberam petiscos como feedback positivo.

Enquanto isso, os participantes dos Tsimane, que estão menos acostumados a interagir com computadores, foram testados com fichas de papel e receberam feedback verbal.

Em seguida, foi solicitado a todos os participantes que colocassem, na ordem correta, quatro imagens de diferentes agrupamentos mostrados em ordem aleatória na tela.

Em graus variados, todos os participantes organizaram suas novas listas em estruturas recursivas, o que é notável, já que “adultos de Tsimane, crianças em idade pré-escolar e macacos, que não possuem treinamento formal em matemática e leitura, nunca foram expostos a esses estímulos antes dos testes”.

“Esses resultados são convergentes com as descobertas recentes de que os macacos podem aprender outros tipos de estruturas encontradas na gramática humana”, disse o Dr. Piantadosi.

Fonte: Science Daily

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais