Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Chimpanzé e humanos se imitam para comunicarem-se, diz novo estudo

0 267

A prática humana de copiar o comportamento dos outros é um aprendizado eficaz e permite que as habilidades, conhecimentos e invenções sejam transmitidos de uma geração para outra.

Embora décadas de pesquisa tenham demonstrado que os macacos são imitadores limitados em comparação com as crianças, um novo estudo descobriu que humanos e chimpanzés imitam a mesma extensão.

Cerca de 10 por cento das ações produzidas por humanos ou chimpanzés em um zoológico eram uma imitação das interações das outras espécies, e também havia sobreposição nos tipos de ações imitadas por ambas as espécies, incluindo aplausos e beijos.

O estudo sugere que a imitação nos macacos poderia ter evoluído para fins comunicativos e sociais, além da função de aprendizagem mais amplamente reconhecida

A superioridade imitativa das crianças em comparação com os macacos foi atribuída a uma maior motivação social para envolver outros em comunicação e compartilhamento de experiências.

Atualmente, as teorias sugerem que os macacos são piores imitadores porque não têm esse lado social e comunicativo da imitação.

No entanto, estudos prévios por trás dessas teorias focaram a imitação no campo das soluções de aprendizagem para problemas físicos.

Mas um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Lund concentrou-se no lado interativo da imitação diretamente, achando que a diferença entre humanos e chimpanzés não é tão clara.

Foto aérea do zoológico onde o estudo foi realizado.
Foto aérea do zoológico onde o estudo foi realizado.

O estudo

Para realizar o estudo, os pesquisadores observaram as interações espontâneas entre visitantes zoológicos e chimpanzés no Zoológico de Furuvik, na Suécia.

Leia mais

Os alvos do estudo eram cinco chimpanzés e os visitantes do zoológico que tentavam interagir com os chimpanzés.

A exposição do chimpanzé compreende quartos em ambientes internos e um na área exterior.

Dois dos quartos internos são áreas de exposição, onde visitantes e chimpanzés podem interagir de perto através do vidro.

Um total de 52 horas de observação foi realizado no Zoológico de Furuvik durante um período de 21 dias, entre junho e agosto de 2013.

Os pesquisadores descobriram que ambas as espécies foram imitadas na mesma medida.

“Isso ocorreu em um cenário típico do zoológico, onde tanto os chimpanzés como os visitantes tentam atrair o interesse uns dos outros de várias maneiras”, disse o Dr. Tomas Persson, um dos co-autores do estudo.

Houve também sobreposição significativa no tipo de ações imitadas pelas duas espécies.

Por exemplo, humanos e chimpanzés imitavam ações comuns, como bater palmas e mandar beijos ou batidas nas janelas.

“As ações que foram copiadas por humanos e chimpanzés não eram novas nem originais e sugerem que a imitação não era sobre aprender”, disse o Dr. Persson.

“O objetivo parecia ser puramente social e de natureza comunicativa”, diz o Dr. Persson.

Os resultados do estudo também mostram que as interações que incluíam imitação duraram mais do que as que não o fizeram.

Como tal, a imitação de gestos simples era uma boa maneira de iniciar contato e manter a interação.

De acordo com os pesquisadores, esse estudo é o primeiro a investigar sistematicamente a imitação espontânea entre chimpanzés de zoológicos e visitantes e destacar o papel social e comunicativo que a imitação de ações familiares podem ter durante essas interações.

Fonte: Daily Mail