Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Autismo é genético? Nova pesquisa responde com exatidão – Confira!

0 390

Um novo olhar sobre dados de pesquisas anteriores reafirmou o que muitos pesquisadores pensaram – o autismo é causado principalmente pelos genes.

Outros estudos mostraram que o transtorno do espectro do autismo tende a se agrupar em famílias e está associado a genes específicos, mas saber o valor exato dessa influência genética é uma tarefa complexa.

Esta nova pesquisa colocou uma figura nas chances, alegando que 83 por cento dos casos de autismo são herdados geneticamente.

O estudo liderado por pesquisadores da Ichan School of Medicine em Nova York reanalisou um estudo longitudinal sueco que envolveu mais de 2,6 milhões de pares de irmãos, 37.570 pares de gêmeos e menos de um milhão de pares de meio irmão.

Link 100% seguro

Destes, 14.516 crianças tiveram um diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA).

O autismo

O autismo e seu espectro de condições associado é um distúrbio bastante complexo, distinguido pelas dificuldades de comunicação e envolvimento nas interações sociais.

Normalmente, os sinais não são claros até que uma criança possa desenvolver habilidades avançadas de comunicação, cerca de 2 a 3 anos, dificultando a investigação das causas genéticas e ambientais.

Na verdade, há apenas meio século atrás, os médicos ainda pensavam que poderia ser o resultado de uma falta de amor e carinho materno.

Estudos anteriores sugeriram que 9 de cada 10 crianças com autismo herdaram a condição através da combinação de genes, embora outros estudos também tenham colocado uma estimativa mais conservadora em direção a 60 por cento.

Um estudo publicado em 2011 realizado por pesquisadores da Universidade de Stanford na Califórnia colocou as chances de hereditariedade genética em torno de 38 por cento para TEA.

Uma análise realizada em 2014 também calculou um número menor, mais próximo de apenas 50%.

Qual desses números é mais preciso?

Os pesquisadores ficaram céticos de como o valor de 50 por cento foi determinado, suspeitando que, levando em consideração o tempo preciso do diagnóstico de autismo, a estimativa estava sendo distorcida.

Assim, os pesquisadores tomaram o mesmo conjunto de dados maciços em crianças suecas e usaram outro método que já havia sido demonstrado no campo, identificando um modelo que melhorasse.

A conclusão foi de que 83 por cento está mais próxima dos 90 por cento determinados por estudos anteriores do gêmeo do que os 38 por cento da pesquisa da Califórnia, e foi estimado com maior precisão.

“Como estudos anteriores, fatores ambientais compartilhados contribuíram minimamente para o risco de TEA”, escrevem os pesquisadores.

Embora possamos estar confiantes de que os genes desempenham um papel fundamental no desenvolvimento dos traços associados ao TEA, também podemos ter certeza de que essa não será a última palavra sobre o assunto.

Apenas um em cada 68 crianças é diagnosticado com o transtorno. Embora não seja extraordinariamente raro, é incomum o suficiente para dificultar a busca de um tamanho de amostra suficientemente grande para previsões precisas.

 

Esta pesquisa foi publicada pela revista JAMA.

Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se para receber mais notícias e atualizações
Você pode desativar quando quiser