Como animais traçam suas rotas para casa sem GPS?

0 12

Os seres humanos, como espécie, tem uma péssima noção de direção. Em relação a alguns animais que animais traçam suas rotas de milhares de kilometros – pássaros, baleias, antílope – estamos anos-luz atras.

Como animais traçam suas rotas? Um lote de novos estudos científicos lança luz sobre exatamente como alguns animais são capazes de navegar com tanto sucesso.

Sabemos há algum tempo que muitas criaturas podem diretamente sentir o campo magnético da Terra e usá-lo para calibrar uma espécie de bússola interna. Um relatório recente publicado na revista Nature descobriu alguns detalhes intrigantes. Parece que os cães, raposas, lobos e alguns primatas têm um determinado tipo de proteína em seus olhos que é sensível ao magnetismo. É isso mesmo: proteína nos globos oculares.

Em um estudo relacionado, uma equipe de biólogos e matemáticos se uniram para descobrir o sistema de navegação incrivelmente eficiente da borboleta monarca. A borboleta monarca é realmente o rei da estrada. A sua migração anual do Canadá ao México – de longe a maior distância percorrida por um inseto – tem intrigado os biólogos por décadas.

Os investigadores recentemente estudaram dados diretamente coletados de neurônios das antenas e os olhos dos borboletas. A conclusão: Monarcas traçam suas rotas de migração incrivelmente eficientes, acompanhando a posição exata do sol no céu. O inseto então compara estes dados posicionais com cronometragem “neurônios relógios” para determinar a melhor rota.

 

Este tipo de sinal sugere que as borboletas monarca tem “circuitos” biológicos. A ação desses ciruitos são muito mais complexas do que se imaginava. A equipe de pesquisa também desenvolveu um circuito modelo para recriar a bússola interna. No futuro eles esperam construir uma borboleta robótico que navega pelo sol.

Seres humanos:

Os seres humanos não têm a capacidade de navegar com tanta precisão, seja pelo magnetismo ou luz. Alguns cientistas acreditam que é possível que estamos habituados a ter tais habilidades, e talvez ainda o fazem, em algum lugar nas profundezas do cérebro. Mas ao longo de milhões de anos de evolução, perdemos qualquer acesso funcional para navegação interna.

Ainda assim, isso pode não ser uma coisa ruim. O nosso terrível senso de direção nos levou a explorar novos territórios como espécie, literal e metaforicamente. Em vez de seguir o mesmo ano rotas migratórias após ano, fomos pioneiros nosso caminho para novos ambientes.

Leia mais

Em algum ponto da nossa evolução que podemos ter perdido nossa capacidade intrínseca para navegar, mas compensada com novas formas de pensar. Aprendemos a controlar as estrelas, fazer bússolas, e, eventualmente, inventar o Google Maps. E isso é muito bom, certo? Não tão bom quanto uma proteína magnética no globo ocular, mas muito é bom.

Fonte: Seeker.com

Comentários

Loading...