Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Cientistas descobrem o primeiro anfíbio bioluminescente

0 75

A rã Hypsiboas punctatus (foto) é uma espécie de anfíbio da família Hylidae. Ela é considerada o primeiro anfíbio naturalmente fluorescente.

Fluorescência, que ocorre quando uma substância absorve a luz em um comprimento de onda e emite-o em um mais longo, é conhecido por ocorrer em alguns papagaios e tartarugas marinhas, e uma grande variedade de peixes.

A rã, Hypsiboas punctatus, mede cerca de 3 centímetros de comprimento, é verde pálido e salpicado com manchas brancas, amarelas ou avermelhadas. É comumente encontrado em toda a bacia amazônica e é principalmente ativo ao amanhecer, anoitecer e noite.

Dr. Julián Faivovich, do Museu de Ciências Naturais Bernardino Rivadavia, em Buenos Aires, Argentina, fez a descoberta inesperadamente enquanto estudava um pigmento na rã.

“Para algumas coisas que nós estávamos planejando em fazer, nós tivemos que iluminar os tecidos do sapo com luz UV. Então percebemos que o sapo inteiro era fluorescente.” Disse ele.

Ele e seus colegas traçaram a fluorescência para um composto encontrado na linfa e glândulas da pele. Eles descobriram que essa característica aumenta o brilho da rã em 19 por cento em uma noite com lua cheia e 30 por cento durante o crepúsculo.

Os compostos fluorescentes absorvem a luz em um comprimento de onda no qual os fotorreceptores de sapo têm baixa sensibilidade e emitem-na em um comprimento de onda no qual eles têm alta sensibilidade. Isso significa que é provável que os próprios sapos possam ver a fluorescência.

Até agora não está claro o propósito. A característica pode servir para algo que traga alguma vantagem evolutiva, e é plausível que possa ter algum papel na comunicação, diz Dr. David Blackburn na Universidade da Flórida, em Gainesville.

“Nós pensamos muito sobre sinais multimodais, tanto ruídos como visual”, diz ele. “Pensar sobre a fluorescência desempenhando um papel que poderia ser realmente emocionante.”

 

Fonte: New Scientist