Sonda Parker partirá com a missão de “tocar” o sol – Entenda!

0 296

Uma sonda espacial deve ser lançada em direção ao sol este mês. A Sonda Parker será a primeira a percorrer a atmosfera exterior da nossa estrela maior.

O plano é que a sonda Parker gire em torno do sol mais de vinte vezes nos próximos sete anos. No seu ponto mais próximo, ele irá “encostar” no sol. Isso equivalerá a cerca de 6 milhões de quilômetros (4 milhões de milhas) da superfície da estrela.

Isso é mais do que sete vezes mais próximo do que qualquer espaçonave anterior. No ponto mais próximo, a sonda Parker entrará na atmosfera externa. Isso é conhecido como a coroa do sol.

Ela entrará pela corona a cerca de 700.000 quilômetros por hora. Isso é rápido o suficiente para pular da Filadélfia para Washington, D.C., em cerca de um segundo. De fato, a sonda se tornará o objeto humano mais rápido do sistema solar.

A sonda está sendo planejada para fazer observações próxima da coroa e do vento solar. Esse “vento” é uma torrente de partículas carregadas que a estrela constantemente lança no espaço.

Ambas as observações poderão ajudar a resolver antigos mistérios sobre o funcionamento interno da atmosfera do sol. E os novos dados poderão melhorar as previsões de eventos climáticos espaciais, como as explosões solares. Essas explosões podem colocar em risco naves espaciais, astronautas e até mesmo a tecnologia na Terra.

Dr. Craig DeForest não está envolvido na missão da sonda solar Parker. Mas ele acha a missão “fenomenal”. DeForest trabalha no Southwest Research Institute, em Boulder, Colorado, onde estuda a física do sol.

O tesouro de novos dados reunidos pela sonda “vai responder a muitas perguntas que não poderíamos responder de outra maneira”, diz ele. “Tem havido uma enorme expectativa para isso.”

As promessas da Sonda Parker

O legado da espaçonave, no entanto, continuará vivo na ciência solar.

Os dados de Parker poderiam explicar a estranha diferença de temperatura entre a superfície do sol e a coroa. A superfície pode chegar a 5,500 °C (9,932 ° F), mas a coroa chega na casa de milhões de graus.

Leia mais

Isso é um salto de temperatura impressionante. E pode ser devido a linhas de campo magnético vibrando. Eles poderiam aquecer o material na coroa.

Ou jatos de material da superfície do sol podem injetar energia em sua atmosfera. A sonda Parker também deve fornecer pistas sobre a velocidade das partículas do vento solar.

Ainda não está claro onde as partículas obtêm a energia necessária para acelerar e escapar da imensa atração gravitacional do sol.

O misterioso calor da coroa e a aceleração do vento solar provavelmente têm uma causa comum, diz o Dr. David McComas. Físico na Universidade de Princeton, em Nova Jersey, ele estuda o plasma espacial, que é feito de partículas carregadas. Dr. McComas é o investigador principal de dois instrumentos na Parker.

Os instrumentos são conhecidos como a Investigação Integrada em Ciências do Sol. Eles irão monitorar partículas de alta energia na atmosfera solar.

O vento solar lava a Terra a centenas de quilômetros por segundo. Distúrbios nesta brisa cósmica podem mexer com satélites, espaçonaves e redes elétricas de energia da Terra. A Parker dará aos cientistas uma melhor compreensão da atmosfera turbulenta do sol.

Também revelará segredos do vento solar. Ambos podem levar a melhores previsões de eventos climáticos espaciais potencialmente perigosos.

A visão ampliada de Parker do sol, sem dúvida, também irá criar novos mistérios sobre nossa estrela natal, diz Dr. McComas. Os dados de “uma missão [muitas vezes] apenas estimulam nosso apetite para mais observações no futuro”, diz ele.

Atualização: A Sonda Parker foi lançada na manhã deste Domingo (12/08/2018) e o vídeo desse incrível momento você assiste aqui:

Fonte: Science News

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More