Descoberto o segredo dos tardígrados – Entenda!

0 350

Os tardígrados são as criaturas mais resistente da Terra e podem sobreviver à doses de radiação equivalentes a 25 horas no ponto zero de Chernobyl, por causa de um escudo protéico.

Os tardígrados, ou ‘ursos d’água’ – são animais maravilhosos e microscópicos que habitam a água, capazes de sobreviverem em ambientes extremos.

Eles podem tolerar aquecimentos de 150 °C à frieza do espaço, secar e reviver anos depois e suportar pressões seis vezes as encontradas na Fossa das Marianas.

Eles também podem sobreviver a milhares de vezes mais radiação do que outros animais, graças a uma proteína única que produzem um proteção “supressor de danos”, ou Dsup.

A análise dessa proteína agora revelou como ela funciona, conectando-se ao complexo celular que contém DNA e criando um escudo protetor semelhante a uma nuvem ao seu redor.

O biólogo molecular Dr. James Kadonaga e colegas da Universidade da Califórnia, em San Diego, desenvolveram três métodos diferentes para purificar a proteína Dsup dos tardigrados para estudar como ela funciona no nível molecular.

“Agora temos uma explicação molecular de como o Dsup protege as células da irradiação de raios X”, disse o professor Kadonaga ao ScienceAlert.

“Vemos que ele tem duas partes, uma que se liga à cromatina e o restante forma uma espécie de nuvem que protege o DNA dos radicais hidroxila”.

Cromatina é o nome dado ao complexo nas células que contém DNA.

Os radicais hidroxila são compostos altamente reativos que podem ser gerados nas células por radiação ionizante. Os tardígrados podem ser expostos a essas partículas quando seus habitats úmidos e musgosos secam.

O professor Kadonaga e sua equipe acreditam que o Dsup pode não ter sido desenvolvido para resistir à radiação, mas que esse é um benefício colateral da evolução para sobreviver em ambientes secos.

Leia mais

Dsup – A proteína protetora

A proteína Dsup foi descoberta pela primeira vez em 2016, quando se descobriu que poderia suprimir os danos ao DNA induzidos por raios-X nas células humanas em cerca de 40%.

“Ficamos realmente surpresos”, disseram à AFP o autor do estudo e o professor Dr. Takuma Hashimoto, da Universidade de Tóquio.

“É impressionante que um único gene seja suficiente para melhorar a tolerância à radiação das células humanas cultivadas”.

Compreender como os tardigrados conseguem se proteger pode um dia nos permitir usar o “truque” para nossos próprios fins.

“Em teoria, parece possível que versões otimizadas do Dsup possam ser projetadas para a proteção do DNA em muitos tipos diferentes de células”, disse o professor Kadonaga.

“O Dsup pode, portanto, ser usado em diversas aplicações, como terapias baseadas em células e kits de diagnóstico nos quais o aumento da sobrevivência celular é benéfico.”

As conclusões completas do estudo foram publicadas na revista eLife.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More