Ketamina: Resultados promissores no tratamento da depressão resistente

0 477

Ketamina pode ser mais conhecida como uma droga recreativa ou anestésico. No entanto, há crescente evidência do seu uso no tratamento da depressão resistente.

Um estudo australásio recente demonstrou resultados positivos para pessoas com depressão resistente ao tratamento que receberam injeções de ketamina.

Embora não haja informações sobre a sustentação desses efeitos a longo prazo e haja outras formas de administração de ketamina, existem opções alternativas de tratamento para esse tipo de depressão.

Leia mais: Weekly Dose: ketamina, droga recreativa e anestésico, pode ser usada no tratamento da depressão.

A ketamina tem sido utilizada como um poderoso anestésico geral há mais de 50 anos.

Além disso, a ketamina é considerada uma droga ilícita de abuso e possui propriedades psicodélicas. Essas substâncias causam alterações significativas em neurotransmissores cerebrais, resultando em mudanças profundas na percepção, humor e ansiedade.

Estudos iniciais com animais mostraram que a ketamina aumenta os níveis de certas substâncias químicas no cérebro, como a dopamina, em até 400%. Isso levou os pesquisadores a testarem a ketamina em seres humanos para observar os efeitos cerebrais.

Atualmente, doses mais baixas de ketamina estão sendo utilizadas no tratamento da depressão resistente, quando o paciente não apresenta melhora após tentativas com pelo menos dois antidepressivos.

A prescrição de ketamina geralmente é feita sob condições estritas de monitoramento, a fim de mitigar riscos graves, como o aumento dos pensamentos suicidas em algumas pessoas. Portanto, é essencial avaliar e acompanhar os pacientes durante e após o tratamento.

No entanto, alguns profissionais de saúde têm resistido ao uso da ketamina devido ao seu potencial para o abuso.

A ketamina também é utilizada no tratamento de outros transtornos de saúde mental, como o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

O novo estudo em questão foi realizado em diversos centros na Austrália e na Nova Zelândia e comparou a eficácia da ketamina injetada sob a pele com outro medicamento no tratamento de pacientes com depressão resistente.

O estudo dividiu aleatoriamente os 184 participantes em diferentes grupos – alguns receberam ketamina, enquanto os demais receberam o medicamento midazolam, duas vezes por semana durante quatro semanas. Nem os participantes nem os avaliadores sabiam quem estava recebendo ketamina.

No início do estudo, todos os participantes apresentavam um escore de depressão clínica de pelo menos 20 (depressão moderada) de acordo com a Escala de Avaliação de Depressão de Montgomery-Asberg.

Os pesquisadores buscaram um escore inferior a 11, indicando uma mudança da depressão para remissão.

Após quatro semanas, observou-se uma diferença significativa entre os pacientes tratados com ketamina (19,6% em remissão) em comparação com aqueles que receberam midazolam (2%). Uma maneira menos rigorosa de medir os resultados é buscar uma redução de 50% no escore de depressão, onde a diferença foi ainda maior (29% em comparação com 4%).

No entanto, quatro semanas após o término do tratamento, foi observada uma melhora limitada e sustentada nos sintomas apenas no grupo que recebeu ketamina. Isso sugere que o tratamento pode ser necessário por um período mais longo.

Existem outras opções de tratamento disponíveis. No estudo, a ketamina foi administrada por meio de injeção subcutânea, uma opção de baixo custo e eficiente. No entanto, também é possível administrar a ketamina diretamente na corrente sanguínea por meio de gotejamento intravenoso. Essas duas opções não estão disponíveis rotineiramente na Austrália e na Nova Zelândia fora de ensaios clínicos.

Leia mais

Uma terceira opção é o uso de um spray nasal contendo uma forma diferente de ketamina, aprovado para uso na Austrália e na Nova Zelândia.

Cada opção de administração de ketamina possui doses diferentes, e as pesquisas sobre sua eficácia e comparação estão em andamento.

Além disso, existem outras opções de tratamento, tanto medicamentosas quanto não medicamentosas, para a depressão resistente. Entre elas estão:

  • Estimulação magnética transcraniana, que estimula partes do cérebro para melhorar o humor.
  • Psilocibina, outra droga psicodélica que recentemente foi autorizada para uso na Austrália sob condições estritas como parte da terapia assistida por psicodélicos.
  • Psicoterapia, como terapia cognitivo-comportamental, terapia de aceitação e compromisso e terapia comportamental dialética.
  • Mudanças em alguns fatores do estilo de vida, como dieta e exercício, ou a prática de meditação mindfulness.

Em resumo, a depressão pode ter sérias consequências, incluindo suicídio ou uma vida inteira de angústia. Esta pesquisa mais recente demonstra resultados promissores para pessoas cujos sintomas são mais difíceis de tratar. No entanto, essa opção ainda não está amplamente disponível fora de ensaios clínicos. Atualmente, apenas o spray nasal de ketamina foi aprovado para uso na Austrália e na Nova Zelândia.

Existem outras opções de tratamento disponíveis. Portanto, se o tratamento atual não estiver funcionando para você, é importante discutir com seu médico, que explicará quais outras opções estão disponíveis.

Fonte: The Conversation

Deixe um comentário

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência Aceitar Leia Mais