Febre na gravidez está ligada com transtorno do espectro autista

0 24

A febre durante a gravidez pode aumentar o risco de transtorno do espectro autista (TEA) na criança, de acordo com um estudo liderado por cientistas do Centro de Infecção e Imunidade (CII) da Escola de Saúde Pública Mailman da Universidade de Columbia.

O efeito foi mais pronunciado no segundo trimestre, elevando as probabilidades de TEA em 40%. O risco de um TEA foi aumentado em mais de 300% para as crianças de mulheres que relataram três ou mais febres após a décima segunda semana de gravidez.

O estudo é o mais robusto até à data para explorar o risco de autismo associado a febres em toda a extensão da gravidez e da capacidade de dois tipos diferentes de medicamentos anti-febre comumente utilizados – paracetamol e ibuprofeno – para resolver esse risco .

Os riscos foram minimamente mitigados entre os filhos de mulheres que tomaram acetaminofeno pela febre no segundo trimestre.

Embora não tenham havido casos de TEA entre crianças de mães que tomaram ibuprofeno, uma droga anti-inflamatória não esteróide, os pesquisadores não puderam verificar se o risco foi mitigado devido ao número extremamente pequeno de mulheres que usam esse medicamento em particular para a febre.

Os resultados do estudo aparecem na revista Molecular Psychiatry.

“Nossos resultados sugerem um papel para a infecção materna gestacional e respostas imunes inatas à infecção no início de pelo menos alguns casos de transtorno do espectro autista”, diz o primeiro autor Dr. Mady Hornig, professor associado de Epidemiologia e diretor de Pesquisa Translacional na CII.

Comentários

Loading...