Descubra qual animal é considerado o gênio dos oceanos

0 10

A notícia, divulgada em abril, de que um animal conseguiu escapar do Aquário Nacional da Nova Zelândia pode ter surpreendido muita gente. Mas só veio a confirmar o que muitos cientistas já suspeitavam: que essa espécie é o gênio dos oceanos.

 

O gênio dos oceanos – Inky, o polvo fujão, aproveitou que a tampa de seu tanque foi deixada entreaberta e, durante a noite, conseguiu sair, atravessou uma sala até encontrar um ralo aberto e se espremeu por um cano de 50 metros de extensão até chegar ao mar aberto.

Confira cinco comportamentos já observados nesses animais que ilustram como eles são mais espertos do que pensamos.

1. Capacidade de planejar

A psicóloga Jennifer Mather, da Universidade de Lethbridge, no Canadá, estuda polvos desde 1972. Mas foi durante uma pesquisa de campo nas Bermudas, há mais de 30 anos, que ela se deparou com a primeira demonstração de inteligência por parte do animal.

gênio dos oceanos
O gênio dos oceanos

Ela observou que um polvo-comum (Octopus vulgaris) caçava caranguejos e os levava para sua toca para comê-los. Antes da refeição, no entanto, o animal catou algumas pedras para criar um espécie de barreira e impedir que as presas fugissem.

Leia mais

Segundo Mather, esse e outros exemplos mostram que o polvo tem a capacidade de fazer previsões e de sequenciar ações.

“Ali estava um animal com uma imagem mental clara do que ele queria. E que conseguiu fazer um planejamento, o que é muito diferente de uma simples resposta a um estímulo, mais comum em outros bichos”, afirma.

2. Bem equipado

Em 2009, Julian Finn e seus colegas do Museu Victoria, em Melbourne, na Austrália, conseguiram demonstrar que polvos sabem usar objetos como ferramentas.

Um grupo de polvos-venosos (Amphioctopus marginatus) desenterrava cascas de coco que foram jogadas no mar e, em seguida, as limpava com jatos de água. Alguns empilhavam cuidadosamente as cascas e as carregavam por até 20 metros para usá-las para montar um abrigo.

Finn chamou a atenção para o fato dessa movimentação deixar o animal mais vulnerável a predadores, por ser mais lenta e dispendiosa. “Isso mostra que o polvo está disposto a aceitar riscos em troca de proteção para o futuro”, afirma

3. Mestre do disfarce

A corrida evolutiva levou animais a desenvolverem muitas maneiras ardilosas para enganarem uns aos outros: das serpentes que se fingem de mortas para evitar serem pegas a peixes machos que se passam por fêmeas para aumentar as chances de se reproduzirem.

gênio dos oceanos
O gênio dos oceanos

Mas dentre todos os malandros da natureza, o polvo-imitador (Thaumoctopus mimicus) deveria levar o título de “mestre dos disfarces”.

Outros polvos podem mudar a cor e a textura da pele para evitar os predadores. Mas o imitador é o único que já foi observado tentando se passar por outros animais. Ele pode mudar sua forma, seus movimentos e seu comportamento para ser confundido com 15 espécies diferentes, de peixes a serpentes marinhas venenosas.

4. Bem orientado

Durante uma pesquisa de campo, Mather observou que, depois de saírem para caçar, os polvos voltavam a suas tocas por outro caminho. Eles também visitavam áreas diferentes em cada caçada.

Em um estudo publicado em 1991, ela concluiu que os polvos têm uma capacidade de memória complexa. Eles conseguem se lembrar dos locais onde há alimentos e retêm informações sobre os lugares que visitaram recentemente. Trata-se de algo que apenas nos animais cordados (dotados de espinha dorsal).

5. Brincalhão

Cientistas sempre defenderam que o ato de brincar é algo peculiar de animais com elevadas habilidades cognitivas, já que não serve a nenhuma função imediata a não ser a diversão.

Mather quis investigar se polvos sabem brincar e estabeleceu um experimento no Aquário de Seattle (EUA). Ela colocou oito polvos-gigantes (Enteroctopus dofleini) em tanques vazios e, ao longo de diversos testes, deu a eles frascos de plástico.

No início, todos os animais levaram os frascos à boca, descartando-os ao perceberem que não era algo comestível. Depois de um tempo, dois deles começaram a jogar jatos de água nos frascos, que iam rolando até o outro lado do tanque e voltavam aos polvos com a corrente de água.

Para Mather e os outros pesquisadores, trata-se de uma forma de brincadeira exploratória, semelhante ao que crianças fazem ao brincarem com objetos desconhecidos.

“Quando um polvo está em uma situação nova, a primeira coisa que ele faz é explorar”, afirma a cientista.

Fonte: BBC

Comentários

Loading...