Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Descoberto o gene que causa depressão e tratamento é possível – Veja mais!

0 548

Os cientistas descobriram um gene no centro de recompensa do cérebro que pode desencadear a depressão – e o melhor, isso pode ser tratado.

A depressão afeta mais de 300 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, e é uma doença em constante escalada.

Agora, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland identificaram um gene em camundongos e humanos que podem intensificar a ansiedade ou proteger alguém do estresse, dependendo dos níveis de expressão.

Eles descobriram que poderiam desencadear a depressão em camundongos, ou fazer os camundongos mais resilientes, simplesmente alterando os níveis de expressão desse gene no cérebro.

O estudo baseia-se em pesquisas anteriores que mostraram uma ligação entre esse gene e a depressão no hipocampo – a região do cérebro que controla a emoção e a memória, e é o foco principal da pesquisa de depressão.

Dra. Mary Kay Lobo, professora assistente do Departamento de Anatomia e Neurobiologia que liderou o novo estudo, disse que suas descobertas mostram que precisamos estudar como todas as áreas do cérebro contribuem para a depressão.

“Existem várias áreas do cérebro afetadas na depressão”, disse Dra. Lobo ao Daily Mail Online.

“Este estudo mostra que realmente precisamos entrar e olhar para cada área de forma diferente. Não podemos tratar o cérebro como um órgão inteiro. O cérebro é muito heterogêneo, precisamos encontrar os neurônios vulneráveis ​​e encontrar maneiras de tratá-los.”

“Espero que este estudo nos ajude a criar agentes farmacológicos que possam alterar os níveis de expressão deste gene para tratar pessoas com depressão”.

O estudo

O estudo centrou-se em um gene chamado Slc6a15. A Dra. Lobo primeiro estudou o gene durante seu doutorado em 2006, e viu que era mais comum entre certos neurônios no “circuito de recompensas” do cérebro. Essa área é responsável pelas liberação de dopamina durante o sexo, ingestão de álcool, drogas ou comendo uma bela refeição.

Nos próximos cinco anos, a Dra. Lobo estudou este gene no centro de recompensas dos cérebros dos toxicodependentes.

Mas em 2011, pesquisadores alemães publicaram um artigo que mostrava uma ligação entre Slc6a15 e depressão.

Foi a primeira vez que a Dra. Lobo viu menção do gene fora do seu trabalho. Ao contrário de sua pesquisa, o documento alemão centrou-se no hipocampo. Não era surpreendente pois a grande maioria da pesquisa de depressão até o momento focam principalmente no hipocampo.

cérebro humano
Pesquisadores descobriram que o cérebro de pessoas que se mataram tinham níveis reduzidos de um determinado gene em seu centro de recompensas.

Mas a Dra. Lobo queria saber se os níveis de expressão do gene no centro de recompensas também poderiam desencadear a depressão. Em pessoas com depressão, o prazer é raro e difícil de alcançar.

A equipe da Dra. Lobo analisou um grupo de ratos que eram suscetíveis ao estresse.

Eles os colocam em situações de alto estresse, como ser confrontado por camundongos maiores e mais agressivos.
Nessas situações, os ratos ficaram com medo e depois demonstraram sintomas de depressão. Olhando para suas varreduras cerebrais, eles viram esses ratos menores  experimentaram uma diminuição nos níveis de expressão do gene Slc6a15 no centro de recompensas do cérebro.

No entanto, quando os pesquisadores aumentaram quimicamente os níveis do gene, esses camundongos tornaram-se mais resistentes e menos deprimidos.

Para corroborar suas pesquisas, a equipe analisou cérebros de humanos falecidos que tinham história de depressão maior. Eles viram que, no centro de recompensas, a expressão do gene foi reduzida.

Conclusão

A Drs. Lobo disse que ainda é necessário mais pesquisas para analisar como o Slc6a15 funciona no cérebro, e para entender melhor por que seus níveis mudam e como desenvolver tratamentos.

No entanto, ela disse, a região é um “alvo medicável”, e alcançá-lo com medicação não está além do alcance das possibilidades.

“Na última década, tivemos uma verdadeira explosão de ferramentas para que nós olhássemos esses sub-tipos de neurônios no cérebro”, disse ela. “Então, temos muitas ferramentas disponíveis, em comparação com quando eu comecei minha pesquisa em 2006.”

“Agora, precisamos usar essas ferramentas para observar diferentes regiões do cérebro para que possamos entender como direcioná-las”.

Fonte: Daily Mail