O incrível caso do bebê que nasceu com duas bocas – Veja!

0 300

Inúmeros processos biológicos estão envolvidos no crescimento de um ser humano e, às vezes, partes deste complexo processo pode dar errado.

Por isso, examinamos e testamos os bebês à medida que eles se desenvolvem, embora o crescimento de uma segunda boca geralmente não seja algo esperado.

Durante um desses exames no terceiro trimestre, os médicos detectaram uma massa incomum à direita da boca de um bebê.

Mas a ultrassonografia pré-natal não permitiu que a equipe resolvesse exatamente o que estava olhando. As possibilidades incluíam um cisto, displasia fibrosa ou um teratoma, que pode ocorrer quando um gêmeo absorve outro durante o desenvolvimento.

Depois que a menina nasceu, ficou evidente que a massa era na verdade uma pequena segunda boca. Tinha lábio, cavidade, dentes e uma pequena língua que se movia em sincronia com a língua principal enquanto ela se alimentava.

Ocasionalmente, a pele ao redor dessa segunda boca desenvolvia uma “superfície bruta”, observaram médicos da Universidade de Medicina da Carolina do Sul em seu relato de caso. Os médicos ainda conseguiam drenar um líquido claro que suspeitavam ser saliva.

Felizmente para esta menina, a cavidade oral extra não pareceu causar problemas na respiração ou na capacidade de se alimentar. Ele nem se conectava à boca central, que parecia funcionar normalmente.

Diprosopus

Diprosopus, a duplicação da cabeça e/ou estruturas faciais, é uma condição muito rara, com apenas cerca de 35 casos registrados em seres humanos desde 1900.

No extremo, essa condição pode levar a uma duplicação facial completa, como neste exemplo com um gato. Mas quando se trata de duplicações envolvendo apenas uma área da face, geralmente são as partes da boca envolvidas.

Essa condição ocorre com mais frequência nas mulheres, mas ninguém sabe o motivo.

“A duplicação das estruturas craniofaciais geralmente ocorre como parte de uma síndrome e é frequentemente associada a fissuras labiais e fissuras palatais, síndrome de Klippel-Feil e sequência de Pierre Robin”, explicaram os médicos em seu relato de caso.

“A duplicação craniofacial do nosso paciente é um caso raro que se apresentou como uma anomalia isolada, sem síndromes ou anormalidades associadas”.

Isso permitiu que os médicos realizassem uma cirurgia para remover a boca extra quando a menina tinha apenas seis meses de idade.

No total, eles removeram algum músculo, osso, membrana mucosa da boca e tecido do esôfago, além de uma glândula salivar e seis dentes, enquanto tentavam cuidadosamente preservar seus nervos faciais.

Além de algum inchaço no local da cirurgia, que desapareceu após alguns meses, o paciente se recuperou bem e não precisou de tratamento adicional.

Os médicos notaram que ela tem dificuldade para relaxar a parte direita do lábio inferior, possivelmente devido à danos nos nervos.

Esta pesquisa foi publicada no BMJ Case Reports.

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais