Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Distúrbio do sono e doenças neurológicas, qual a relação? Confira!

0 36

Dr. John Peever, da Universidade de Toronto, vem trabalhando para responder a uma das maiores questões da humanidade: como sonhamos?

Ele descobriu que uma determinada área do cérebro é responsável por esse fenômeno e que os problemas com sonhos normais podem ser um sinal de alerta precoce para doenças, como por exemplo, a doença de Parkinson.

Seus resultados foram apresentados no Encontro Canadense de Neurociências de 2017, o encontro anual da Associação Canadense de Neurociências – Associação Canadense de Neurociências (CAN-ACN).

Desde a década de 1960, o tronco cerebral tem sido conhecido por estar envolvido no controle do ato de sonhar durante o sono REM (Rapid Eye Movement).

Dr. Peever desde então encontrou as células responsáveis ​​pelo sonho, chamados neurônios REM-ativos. Mais importante ainda, a equipe aprendeu a controlar essas células em roedores e no processo do sonho.

Como disse Dr. Peever: “Quando nós ativamos essas células, isso causa uma rápida transição para o sono REM”. Com esse conhecimento em mãos, sua equipe examinou disfunções nos sonhos, como o distúrbio do comportamento do sono REM em humanos.

Incrivelmente, a equipe revelou um link para um determinado grupo de doenças neurodegenerativas.

“Observamos que mais de 80% das pessoas que sofrem de distúrbio do sono REM eventualmente desenvolvem sinucleinopatias, como a doença de Parkinson e demência de corpos de Lewy. Nossa pesquisa sugere que distúrbios do sono podem ser um sinal de alerta para doenças que podem aparecer alguns anos mais tarde.”

Dr. Peever espera que sua pesquisa possa eventualmente levar a uma estratégia neuroprotetora.

“Muito parecido com o que vemos em pessoas propensas ao câncer, o diagnóstico de distúrbios REM pode nos permitir oferecer aos indivíduos ações preventivas para mantê-los saudáveis ​​muito antes de desenvolverem essas condições neurológicas mais graves”.

Este objetivo levará anos para se desenvolver ainda, mas poderia um dia ajudar milhares de pessoas a viverem saudáveis ​​muito antes de eles precisarem de atenção médica séria.

 

Leia mais

Fonte: Eurekalert