Dieta low-carb pode aumentar risco de morte – Entenda!

0 567

A dieta de Atkins, ou dieta low-carb, apareceu pela primeira vez em 1989, dizendo que a maneira de permanecermos saudáveis e perder peso era reduzir os carboidratos e comer mais carne em vez disso.

Embora desde então tenha sido classificado como uma dieta passageira e pseudocientífica, muitas pessoas hoje pensam que a dieta low-carb é a maneira de ficar em forma.

No entanto, precisamos de carboidratos para funcionar, e um enorme novo estudo publicado no The Lancet: Public Health apenas reitera isso.

Descobriu-se que, se você ingerir quantidades particularmente altas ou baixas de carboidratos, aumenta o risco de morrer. Portanto, comer uma quantidade moderada de carboidratos – como macarrão, batata e pão – é a opção mais saudável.

Reduzir os carboidratos pode fazer você perder peso rapidamente, mas não é sustentável a longo prazo.

Os carboidratos são a principal fonte de energia do corpo.

Cada célula precisa de combustível para funcionar, particularmente as do seu cérebro. Os carboidratos fornecem energia imediata, bem como energia armazenada para ser usada posteriormente, ajudando a preservar músculos importantes que começam a ser digeridos quando os níveis de energia caem muito baixo.

Para conduzir suas pesquisas, os cientistas estudaram 15.428 pessoas com idades entre 45 e 64 anos de quatro comunidades dos EUA.

Eles eram todos participantes do estudo sobre o risco de aterosclerose nas comunidades e tinham ingestão normal de calorias. Os pesquisadores então analisaram se as ingestões de carboidratos dessas pessoas, relatadas através de questionários, tinham alguma conexão com o risco de mortalidade.

A líder da pesquisa, Dra. Sara Deidelmann, disse ao The Guardian que os pesquisadores publicaram um trabalho significativo “para responder a uma pergunta completa e não simplesmente fornecer apenas uma parte do quadro”.

Os resultados da pesquisa sobre a dieta low-carb.

Leia mais

No geral, a equipe descobriu que ter uma dieta composta de 50 a 55 por cento de carboidratos estava associada a um risco mínimo de mortalidade. Aqueles com dietas com mais de 70% ou menos de 40% de carboidratos tiveram o maior risco.

Cinquenta anos de idade com uma dieta moderada em carboidratos tenderam a obter outros 33 anos de vida – um ano a mais do que aqueles em dietas com alto teor de carboidratos e quatro anos a mais do que aqueles em dietas com poucos carboidratos.

No entanto, a equipe também descobriu que se você substitui carboidratos por uma dieta baixa em carboidratos pode fazer toda a diferença. Eles descobriram que a substituição de carboidratos por proteínas e gorduras derivadas de animais, como carne, ovos e manteiga, aumentava o risco de mortalidade.

Já a substituição por gorduras e proteínas derivadas de plantas teve o efeito oposto. Estes incluem alimentos como nozes, abacate, pães integrais e lentilhas.

E, se você comer carboidratos, escolher os corretos é muito importante. Evite os ricos em açúcar refinado, como bolos e biscoitos, e troque carboidratos “brancos”, como pão branco e arroz, por alternativas integrais e arroz integral. Alimentos como batata-doce, aveia e quinoa também são ótimos carboidratos saudáveis ​​que lhe darão muita energia.

Portanto, evite a dieta Atkins, dieta cetogênica ou dieta low-carb e continue consumindo carboidratos, particularmente os integrais. Mas se você realmente quiser reduzir, certifique-se de substituí-los por muitas alternativas à base de plantas.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More