Pesquisa descobre que Charles Darwin estava certo – Entenda!

0 180

Em 1871, Charles Darwin propôs que a vida se originou em um “pequeno lago quente”.

E agora sua teoria se provou verdadeira depois que a mais antiga evidência de vida em terra foi encontrada em pedras de 3,48 bilhões de anos na Austrália.

As evidências incluem bolhas bem preservadas presas em um fluido microbiano pegajoso e camadas de rochas formadas por antigos microrganismos.

A descoberta impressionante empurra para trás a evidência da vida mais velha na Terra em 580 milhões de anos, dizem os pesquisadores.

Essa descoberta pode ajudar os cientistas na busca de vida alienígena. Marte também teve fontes termais em torno de 3,5 bilhões de anos atrás.

Os pesquisadores sugerem que futuras missões de exploração de Marte devam apontar para as fontes quentes (agora secas) do planeta para aumentar a possibilidade de encontrar vida.

“Nossas descobertas excitantes não apenas estendem de volta o registro de vida vivendo em fontes termais por 3 bilhões de anos, eles indicam que a vida estava habitando a terra muito mais cedo do que se pensava anteriormente, por cerca de 580 milhões de anos”, diz a autora principal Dra. Tara Djokic da Universidade de Nova Gales do Sul.

Leia mais

Os cientistas estão considerando duas hipóteses a respeito da origem da vida na Terra.

Duas hipóteses sobre a origem da vida na Terra

Ou começaram em respiradouros hidrotermais do mar profundo, ou em terra em uma versão do “pequeno lago quente” de Charles Darwin.

“A descoberta de potenciais assinaturas biológicas nestas antigas fontes termais da Austrália Ocidental oferece uma perspectiva geológica que pode dar peso a uma origem de vida baseada em terra”, diz Djokic.

“Nossa pesquisa também tem implicações importantes para a busca pela vida em Marte, porque o planeta vermelho tem antigos depósitos de fontes quentes de uma idade semelhante à formação Dresser no Pilbara.”

“Se a vida pode ser preservada em fontes termais tão remotas na história da Terra, há uma boa chance de que ela possa ser preservada nas fontes termais de Marte também”.

O estudo

Os pesquisadores estudaram depósitos excepcionalmente bem conservados que têm aproximadamente 3,5 bilhões de anos na antiga Formação Dresser no Cráter Pilbara da Austrália Ocidental.

Eles interpretaram que os depósitos foram formados em terra, não no oceano, identificando a presença de geiseritos – um depósito mineral formado a partir de fluidos ricos em sílica, próximos da temperatura de ebulição, que só é encontrado em um ambiente de fonte termal.

Anteriormente, o mais velho geiserito conhecido tinha sido identificado das rochas de aproximadamente 400 milhões anos mais novos.

Dentro dos depósitos de Pilbara, os pesquisadores também descobriram estromatolitos – estruturas de rocha em camadas criadas por comunidades de micróbios antigos.

austrália
Local onde foram encontrados.

E também havia outros sinais de vida precoce nos depósitos, incluindo micro-estromatólitos fossilizados, textura de paliçada microbiana e bolhas bem preservadas.

Estas bolhas são inferidas de terem sido presas em uma substância microbiana pegajosa que preservou a forma de bolha.

“Isto mostra uma variedade diversa de vida existente na água doce, muito cedo na história da Terra,” disse o co-autor Professor Dr. Van Kranendonk.

“Os depósitos de Pilbara são da mesma idade que a maior parte da crosta de Marte, o que torna os depósitos de fontes quentes no planeta vermelho um alvo emocionante para nossa busca de encontrar a vida fossilizada lá”.

Fonte: Daily Mail – Scientific American

Comentários

Loading...