Células imunológicas exercem função primordial na batida do coração

0 24

As células do sistema imunológico podem ajudar o seu coração a manter a batida perfeita.

Essas células, chamadas macrófagos, geralmente protegem o corpo de patógenos invasores. Mas um novo estudo publicado em 20 de abril mostra que em camundongos, as células imunológicas ajudam o fluxo de eletricidade entre as células musculares para manter o órgão bombeando.

Os macrófagos se espremem entre as células do músculo cardíaco, chamadas cardiomiócitos. Estas células musculares ritmicamente contrai em resposta a sinais elétricos, bombeando sangue através do coração. Ao “ligar” aos cardiomiócitos, os macrófagos ajudam as células cardíacas a receber os sinais e a permanecerem em ritmo.

Os pesquisadores sabem há alguns anos que os macrófagos vivem em tecido cardíaco saudável. Mas suas funções específicas “ainda eram um mistério”, diz Dr. Edward Thorp, imunologista da Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern, em Chicago.

Ele chama a conclusão do estudo de que os macrófagos acoplam-se eletricamente aos cardiomiócitos. Destaca “a diversidade funcional e a importância fisiológica dos macrófagos, além de seu papel na defesa do hospedeiro”, diz Dr. Thorp.

A descoberta por acidente

Dr. Matthias Nahrendorf, um biólogo celular na Faculdade de Medicina de Harvard, tropeçou nesta descoberta eletrizante por acidente.

Leia mais

Curioso sobre como macrófagos impactam no coração, ele tentou realizar uma ressonância magnética cardíaca em um rato geneticamente projetado para não ter as células imunes. Mas os batimentos cardíacos do roedor eram muito lentos e irregulares para realizar a varredura.

Estes sintomas apontaram para um problema no nó atrioventricular do rato, um feixe de fibras musculares que conecta eletricamente as câmaras superior e inferior do coração. Os seres humanos com nós AV irregulares podem precisar de um marca-passo para manter o coração batendo.

Em camundongos saudáveis, os pesquisadores descobriram macrófagos concentrados no nó AV, mas o que as células estavam fazendo lá era desconhecido.

Isolar um macrófago cardíaco e testá-lo para a atividade elétrica não resolveu o mistério. Mas quando os pesquisadores acoplaram um macrófago com um cardiomiócito, as duas células começaram a se comunicar eletricamente. Isso é importante, porque as células do músculo cardíaco se contraem graças a sinais elétricos.

Os cardiomiócitos têm um desequilíbrio de íons. Enquanto no estado de repouso, existem mais íons positivos fora da célula do que no interior, mas quando um cardiomiócito recebe um sinal eléctrico de uma célula cardíaca vizinha, essa distribuição muda. Esta mudança momentânea faz com que a célula se contraia e envie o sinal para o cardiomiócito seguinte.

Macrófagos ajudam na despolarização

Os cientistas pensaram anteriormente que os cardiomiócitos eram capazes de regularem essa mudança elétrica, chamada despolarização, por conta própria. Mas Dr. Nahrendorf e sua equipe descobriram que os macrófagos ajudam no processo.

Usando uma proteína, os macrófagos se ligam aos cardiomiócitos. Esta proteína conecta diretamente o interior destas células uns aos outros, permitindo que os macrófagos transferam cargas positivas, dando aos cardiomiócitos um impulso. Isso torna mais fácil para as células do coração despolarizar e desencadear a contração do coração, disse Dr. Nahrendorf.

Com a ajuda dos macrófagos, o sistema de condução se torna mais confiável, e é capaz de conduzir mais rápido

Nahrendorf e seus colegas encontraram macrófagos dentro do nó AV em corações humanos também, mas não sabem se as células desempenham o mesmo papel nas pessoas. O próximo passo é confirmar esse papel e explorar se as células imunes podem estar por trás de problemas cardíacos como arritmia.

 

Fonte: Science News

Comentários

Loading...