Buraco negro supermassivo explodiu no centro da Via Láctea há 3,5 milhões de anos – Saiba mais!

0 391

Um buraco negro supermassivo no coração da Via Láctea explodiu há 3,5 milhões de anos atrás, quando nossos primeiros ancestrais estavam vagando pela Terra, de acordo com uma nova pesquisa.

A explosão nuclear foi tão grande que seu impacto foi sentido a 200.000 anos-luz de distância, dizem os cientistas.

A chama cataclísmica em forma de cone viajou pelos dois pólos da galáxia – para o espaço profundo. O líder do estudo, professor Dr. Joss Bland-Hawthorn, da Universidade de Sydney, disse: “A chama deve ter sido como um raio de farol. Imagine a escuridão e alguém acende um farol por um breve período de tempo.”

Sua equipe no Centro de Excelência ARC da Austrália (ASTRO 3D) descreve isso como um ‘feixe de energia titânico e em expansão’.

Os astrônomos suspeitam há muito tempo que esse evento aconteceu – e agora eles finalmente confirmaram. Em termos galácticos, é considerado um evento muito recente.

Na Terra, naquele tempo, o asteróide que matou os dinossauros já tinha ocorrido há 63 milhões de anos.

E nossos ancestrais, os Australopithecus, já estavam andando pela África. Lisa Kewley, diretora da ASTRO 3D, disse: ‘Este é um evento dramático que aconteceu alguns milhões de anos atrás na história da Via Láctea.”

‘Isso mostra que o centro da Via Láctea é um lugar muito mais dinâmico do que havíamos pensado anteriormente. É uma sorte que não moramos lá.”

O fenômeno, conhecido como surto de Seyfert, criou dois enormes “cones de ionização” que cortaram a galáxia. Eles começaram com um diâmetro relativamente pequeno perto do buraco negro – expandindo-se enormemente à medida que saíam para o espaço inter galáctico.

A labareda azul era tão poderosa que impactou a corrente de Magalhães – uma longa cauda de gás que se estende na Via Láctea.

A explosão foi grande demais para ter sido desencadeada por algo além de atividade nuclear associada ao buraco negro, dizem os pesquisadores.

Leia mais

via GIPHY

O buraco negro

Nomeado Sagitário A, ou Sgr A *, o buraco negro é cerca de 4,2 milhões de vezes mais massivo que o Sol. Orbitado por um enxame de estrelas, é conhecido há décadas.

Usando os dados coletados pelo Telescópio Espacial Hubble, o professor Bland-Hawthorn e colegas estimaram que a explosão durou talvez 300.000 anos.

Este é um período extremamente curto em termos galácticos, disse o professor Bland Hawthorn, cujas descobertas serão publicadas no The Astrophysical Journal.

A co-autora, Dra. Magda Guglielmo, também da Universidade de Sydney, disse: ‘Esses resultados mudam dramaticamente nossa compreensão da Via Láctea. Sempre pensamos em nossa galáxia como uma galáxia inativa, com um centro não tão brilhante.”

Em vez disso, esses novos resultados abrem a possibilidade de uma reinterpretação completa de sua evolução e natureza.

“O evento que ocorreu há 3,5 milhões de anos foi tão poderoso que teve consequências no entorno de nossa galáxia.”

O trabalho mais recente confirma o SgrA * como o principal suspeito da explosão espetacular. Mas como os buracos negros evoluem, influenciam e interagem com as galáxias “é um problema marcante na astrofísica”, acrescentaram os pesquisadores.

Buracos negros são alguns dos objetos mais estranhos do universo.

São as centrais elétricas das galáxias, moldando-as com ventos poderosos que varrem a matéria inter galáctica.

Mesmo a luz não pode escapar. É por isso que não podemos vê-los diretamente. Sabemos apenas que eles existem pelo comportamento estranho das coisas próximas a eles.

Por exemplo, os gases giram em torno deles quase à velocidade da luz, emitindo muita radiação de alta energia.

Fonte: Daily Mail

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More