Pesquisadores estão esperando o ressurgimento do Zika vírus – Saiba o motivo!

0 389

Uma das principais histórias de 2016, o Zika vírus, encerrou esse ano de forma silenciosa ao público. Mas ainda é um tema quente entre cientistas por boas razões.

Depois que Zika surgiu e abalou as Américas, relatos de infecções e defeitos de nascimento devastadores ocorreram pelo Brasil e pela Colômbia, chegando finalmente aos Estados Unidos.

Mas esse ano o número de casos de Zika no hemisfério sul caiu drasticamente nas áreas mais atingidas.

Mas poucos cientistas são ingênuos o suficiente para pensar que o Zika vírus sumiu. “A questão é quando veremos outro surto”, diz Dr. Andrew Haddow, um entomologista médico do Instituto de Pesquisa Médica do Exército dos EUA de Doenças Infecciosas em Frederick.

A lista de tarefas dos pesquisadores para combater este vírus quando era desconhecido foi assustadora. Mas o progresso foi feito, especialmente em saber mais sobre a biologia e as interações do Zika com seus hospedeiros e no desenvolvimento de uma vacina segura e efetiva.

Em 2017, a epidemia perdeu força porque muitas áreas provavelmente desenvolveram imunidade ao vírus.

O Zika está atualmente infectado em um grande número de pessoas, que agora são presumivelmente imunes, e essas pessoas expostas fornecem proteção indireta para pessoas que ainda não tiveram contato com o Zika.

Se o vírus transmitido por mosquito não pode encontrar pessoas suficientes para infectar, ele não pode se espalhar facilmente.

O Zika vírus não confia em mosquitos para prosperar

Este ano, os pesquisadores aprenderam mais sobre como o vírus se espalha através das relações sexuais. Nos seres humanos, Zika pode persistir no sêmen por cerca de três meses, descobriram os pesquisadores.

Dr. Haddow e colegas relataram nas doenças infecciosas emergentes em Agosto que quatro de oito macacos expostos ao vírus desenvolveram infecções vaginalmente, assim como sete dos oito macacos que receberam o vírus através do reto.

Leia mais

Convencido de que Zika está aqui para ficar e especialmente preocupada com seus efeitos durante a gravidez, os pesquisadores apressaram-se a desenvolver vacinas.

Em seu primeiro teste em seres humanos, relatado on-line em 4 de outubro no New England Journal of Medicine, uma vacina baseada no DNA do Zika vírus provocou uma resposta imune, com 100% dos participantes desenvolvendo anticorpos após três doses.

Outra vacina de DNA, desenvolvida pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas em Bethesda, está em uma segunda rodada de testes em humanos.

A atenção ao vírus pode diminuir ainda mais. Mas o risco para a saúde pública permanece e ainda são necessárias intervenções, como o monitoramento contínuo que rastreia Zika e outras doenças infecciosas na gravidez, diz Dra. Denise Jamieson, um ginecologista obstetra da Faculdade de Medicina da Universidade Emory de Atlanta.

“Não estamos preparados para outra doença infecciosa emergente que possa afetar desproporcionalmente as mulheres grávidas ou seus fetos ou bebês”, diz ela. “E nós precisamos estar”.

Fonte: ScienceNews