Vírus Ebola se adaptou para melhor infectar pessoas no surto de 2013-2016

0 13




Pesquisadores identificaram mutações no vírus Ebola que surgiram durante a epidemia de 2013-2016 na África Ocidental. As mutações aumentaram a capacidade do vírus de infectar células humanas.

“Pensa-se que o vírus Ebola circula em um reservatório animal desconhecido e apenas raramente chega às pessoas. Mas, quando o vírus chega, o efeito tem sido devastador para as pessoas que são infectadas. Os surtos de Ebola foram curtos e o vírus teve pouca oportunidade de se adaptar geneticamente ao hospedeiro humano.” Diz Dr. Jeremy Luban, co-autor de um dos artigos e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts.

Até o final da epidemia de vírus Ebola em 2016, mais de 28.000 pessoas haviam sido infectadas com o vírus, e mais de 11.000 pessoas morreram de Ebola. Para investigar se o vírus poderia ter mudado geneticamente em resposta à infecção de um número tão grande de pessoas, as equipes de pesquisa usaram as sequências genômicas do vírus disponíveis para rastrear mutações.

As equipes descobriram que as mutações do gene que codifica as glicoproteínas do vírus Ebola aumentaram a capacidade do vírus de infectar células humanas e de outros primatas. Ao aumentar a infecciosidade em células humanas, é possível que essas mutações aumentaram a propagação do vírus Ebola durante o surto.

O que dizem os cientistasVírus Ebola

“Se você introduzir um vírus em um novo hospedeiro, como os seres humanos, ele pode precisar se adaptar para infectar melhor e se espalhar nesse hospedeiro”, diz Dr. Jonathan Ball, virologista da Universidade de Nottingham e co-autor do outro artigo. Uma mutação específica, estudada por ambos os grupos, surgiu no início do surto, assim como o número de casos aumentou muito e logo se tornou o tipo de vírus dominante que circulou no surto.

Leia mais

As mutações do vírus Ebola não aumentaram a capacidade do vírus Ebola de infectar células de outras espécies de mamíferos, incluindo morcegos, o suposto hospedeiro natural do vírus Ebola. “Descobrimos que, como o vírus Ebola estava se espalhando de humano para humano, ele aparentemente não tinha que se preocupar em manter sua infecciosidade em morcegos”, diz Dr. Ball .

As equipes de pesquisa estão continuando o trabalho para aprender mais sobre como essas mutações específicas tornaram o vírus Ebola mais infeccioso para as células humanas. “É importante entender como esses vírus evoluem durante surtos”, diz Dr. Luban. “Ao fazer isso, estaremos melhor preparados se esses vírus derramarem sobre os seres humanos no futuro.”

 

Fonte: Cell Press

Comentários

Loading...