Qual a vacina mais arriscada de se tomar? O mais arriscado é não tomar!

vacina mais arriscada
0 111

Na semana passada, as autoridades de saúde pública do Minnesota, EUA, pediram para mais de 200 pessoas ficarem em quarentena depois de 12 casos de sarampo serem diagnosticados em menos de 2 semanas – todos em crianças não vacinadas menores de 6 anos.

Do outro lado do oceano, uma menina portuguesa de 17 anos não vacinada morreu de sarampo depois que o vírus invadiu seus pulmões, em meio a um surto que reflete surtos em casos na Alemanha, Itália e Romênia.

Em 2015, o ano mais recente para o qual os dados estão disponíveis, apenas 72% dos norte-americanos haviam recebido sete vacinas-chave recomendadas pelos CDC, que juntos protegem contra 11 doenças potencialmente mortais.

Isso é realmente uma melhoria em relação a 2011, quando o número foi de 69%. Mas também indica que ainda há muito trabalho a ser feito, particularmente em um ambiente em que os céticos de vacinas foram encorajados.

Como uma vez que as doenças comuns da infância desaparecem da visão pública, é compreensível que a atenção dos pais passaria do medo da doença para preocupações sobre os riscos das próprias vacinas.

Os artigos publicados pela revista Science (link) esclarece mitos velhos e novos sobre estes riscos, ao reconhecer algumas reações reais e raras que podem ocorrer após a vacinação. Os dados da revista deixam claro o poder das vacinas para vencer a doença – um impacto que eclipsa distante seus riscos minuciosos.

Identificar as melhores maneiras de convencer os pais hesitantes deste cálculo em uma era de desinformação alimentada pela internet é um desafio contínuo para os pesquisadores.

Vídeo:

Revista Science

Deixe um comentário

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais