Vacina e autismo – Veja o que nova pesquisa descobriu

0 576

Caso você precise de mais informaçōes sobre vacina e autismo, esse novo estudo fornece evidências suficiente para tirar suas dúvidas a respeito da segurança das vacinas.

O estudo analisou registros médicos de mais de 81.000 crianças americanas não encontrou absolutamente nenhuma prevalência aumentada de transtorno do espectro autista (ASD) em crianças cujas mães receberam vacinas para infecções potencialmente mortais durante a gravidez.

A análise, publicada hoje na revista Pediatrics, foi realizada por pesquisadores da Kaiser Permanent usando dados de crianças nascidas no sul da Califórnia entre janeiro de 2011 e dezembro de 2014.

A vacina de interesse neste caso era contra três espécies de bactérias patogênicas que causam tétano, difteria e coqueluche.

Entre as 81.993 crianças naturalmente concebidas incluídas no estudo, 1.341 foram diagnosticadas clinicamente com ASD entre seu primeiro aniversário e junho de 2017. A incidência do distúrbio no grupo vacinado foi de 1,5 por cento, em comparação com 1,8 por cento para o grupo não vacinado.

Após o ajuste para numerosos fatores de confusão, incluindo o ano de nascimento da criança, se o bebê nasceu prematuro, etnia, idade materna, escolaridade materna e localização geográfica indicou que não há risco de ASD.

Vacina e autismo

“O elo entre a vacinação e o desenvolvimento do autismo foi refutado por muitas investigações científicas rigorosas. Infelizmente, os equívocos ainda geram preocupações”, disse em comunicado o autor sênior Dr. Hung Fu Tseng.

“Dada a crescente prática de vacinar as mulheres grávidas com essa vacina, foi importante abordar a preocupação de uma ligação entre a vacinação materna e o subsequente desenvolvimento do transtorno do espectro do autismo em crianças”, acrescentou.

“Esperamos que nossos achados tranquilizem os pais de que a vacinação durante a gravidez não esteja associada ao autismo em crianças”.

Curiosamente, as taxas globais de ASD declinaram durante o período do estudo, de 2,0 a 1,5% no grupo não vacinado e de 1,8 a 1,2% no grupo vacinado.

Leia mais

Embora nenhum fator isolado ainda esteja definitivamente ligado ao ASD, variações hereditárias em várias dúzias de genes que regulam a atividade cerebral têm sido implicadas.

Assim como fatores ambientais que poderiam induzir mudanças epigenéticas, como a exposição a altos níveis de testosterona materna no útero.

Não saber como reduzir a probabilidade de seu filho ter esse distúrbio e, portanto, ficar preocupado é normal, mas, literalmente, recusar-se a vacinar não é a solução.

As imunizações são essenciais não apenas para a saúde do seu filho, mas também para a saúde das populações humanas como um todo.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More