Por que os EUA cancelaram o uso de cloroquina para pacientes com COVID-19?

0 233

A hidroxicloroquina e a cloroquina não têm mais o apoio da Administração de Medicamentos e Alimentos (FDA) dos EUA para uso contra infecções por coronavírus quando administradas fora de um estudo clínico.

Em março, a agência autorizou o uso dos medicamentos contra a malária para pacientes hospitalizados com COVID-19 que não puderam participar de ensaios clínicos. Mas os critérios legais para a emissão de uma autorização de uso emergencial não são mais atendidos, informou a agência em 15 de junho.

“É improvável que os medicamentos produzam um efeito antiviral”, observou Dra. Denise Hinton, a principal cientista da agência, em uma carta de revogação em 15 de junho.

Estudos demonstraram que esses medicamentos não são melhores do que um placebo para prevenir COVID-19 em pessoas expostas ao coronavírus e não aceleram a recuperação de pessoas em estado grave.

“A totalidade das evidências científicas atualmente disponíveis indica falta de benefício”, afirmou o comunicado da agência.

As evidências

Depois de analisar as evidências, “não é mais razoável acreditar que a hidroxicloroquina e a cloroquina possam ser eficazes no tratamento do COVID-19”, escreveu Dra. Hinton. Os riscos dos medicamentos, que podem incluir interrupções nos ritmos cardíacos, não superam os benefícios de usá-los, ela escreveu.

A decisão veio a pedido de Dr. Gary Disbrow, diretor interino da Autoridade Biomédica de Pesquisa e Desenvolvimento Avançado. A agência, dentro do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, tem a tarefa de avaliar vacinas, medicamentos e terapias para combater ameaças à segurança nacional e à saúde pública.

Além disso, o FDA alertou que a hidroxicloroquina e a cloroquina não devem ser administradas em combinação com o remdesivir, um medicamento antiviral que demonstrou reduzir o tempo de recuperação do COVID-19.

Os medicamentos contra a malária reduziram a atividade antiviral do remdesivir em experimentos de laboratório, informou a agência em comunicado.

A hidroxicloroquina pode continuar a ser vendida nos Estados Unidos para fins já aprovados pela FDA, como para o tratamento de lúpus e artrite reumatóide.

A versão da cloroquina anteriormente autorizada para uso emergencial não foi distribuída e não está disponível para uso. As pessoas que estão hospitalizadas e já estão sendo tratadas com os medicamentos podem continuar a recebê-los sob as ordens de seus médicos, e os ensaios clínicos ainda podem continuar.

Fonte: Science News

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais