Deveríamos usar máscaras para combater a pandemia de COVID-19?

0 253

À medida que os casos da doença COVID-19 aumentavam no mês passado, as pessoas na Europa e na América do Norte lutavam para comprar máscaras cirúrgicas para se protegerem.

As autoridades de saúde no entanto tentavam desencorajá-las, preocupadas com o suprimento limitado de máscaras para os profissionais de saúde.

A Organização Mundial da Saúde e os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) disseram que apenas pessoas com sintomas de COVID-19 e aqueles que cuidam deles deveriam usar máscaras.

Mas alguns especialistas em saúde, incluindo o diretor do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, acham isso um erro. As autoridades de saúde da Ásia incentivaram todos os cidadãos a usarem máscaras em público para impedir a propagação do vírus, independentemente de terem sintomas.

E a República Tcheca deu o passo incomum na semana passada, tornando obrigatório o uso de revestimentos para o nariz e a boca em espaços públicos, o que levou a um movimento popular para fazer máscaras à mão.

Até especialistas que preferem mascarar as massas dizem que seu impacto na propagação de doenças provavelmente será modesto. Muitos também têm medo de promover a compra de máscaras em meio a terríveis carências nos hospitais.

Mas, com o avanço da pandemia, alguns especialistas em saúde pública acham que as mensagens sobre o uso de máscaras devem mudar.

“É realmente uma intervenção de saúde pública perfeitamente plausível que não é usada”, argumenta K. K. Cheng, especialista em saúde pública da Universidade de Birmingham. “Não é para se proteger. É para proteger as pessoas contra as gotículas que saem do seu trato respiratório.”

Usar máscaras não é suficiente

Cheng enfatiza que, por mais que sejam usadas máscaras, as pessoas devem praticar o distanciamento social e ficar em casa o máximo possível para impedir a propagação do novo coronavírus. Quando as pessoas se aventuram e interagem, é provável que gotículas de saliva contaminem pessoas com o vírus.

“Não quero assustá-lo, mas quando as pessoas falam, respiram e cantam – você não precisa espirrar ou tossir – essas gotas estão saindo”, diz ele.

Leia mais

Embora haja evidência de que o coronavírus (SARS-CoV-2) da COVID-19 possa persistir nos aerossóis, partículas finas que permanecem suspensas no ar, a transmissão de aerossóis é provavelmente rara, diz Dr. Arnold Monto, epidemiologista da Universidade de Michigan, Ann Arbor.

“Ele é espalhado principalmente por gotículas maiores, e sabemos que as máscaras cirúrgicas padrão terão um efeito modesto nesse tipo de transmissão”, diz ele. “Mas quando você combina máscaras com outras abordagens, elas podem fazer a diferença.”

Apesar das mensagens de algumas autoridades de saúde, é provável que uma máscara possa ajudar a proteger uma pessoa saudável da infecção, diz Dr. Benjamin Cowling, epidemiologista da Universidade de Hong Kong.

As máscaras cirúrgicas e as N95 (mais eficientes) demonstraram prevenir várias infecções respiratórias nos profissionais de saúde; houve algum debate sobre qual dos dois é apropriado para diferentes tipos de atendimento ao paciente com infecção respiratória.

“Não faz sentido imaginar que… as máscaras cirúrgicas são realmente importantes para os profissionais de saúde, mas depois não são úteis para o público em geral”, diz Dr. Cowling.

Seria melhor usar máscaras apenas em hospitais?

As máscaras podem funcionar melhor na prevenção de infecções em hospitais do que em público, diz ele, em parte porque os profissionais de saúde recebem treinamento sobre como usá-las e porque tomam outras medidas importantes de segurança, como lavagem das mãos. “Acho que as pessoas comuns, se fossem ensinadas a usar uma máscara adequadamente teriam mais proteção contra infecções na comunidade.”

Mas o maior benefício de mascarar as pessoas, argumenta o Dr. Cowling, provavelmente não vem de proteger a boca dos saudáveis, mas de cobrir a boca das pessoas já infectadas.

As pessoas que se sentem doentes não devem sair, mas as evidências iniciais sugerem que pessoas sem sintomas também podem transmitir o coronavírus sem saber que estão infectadas. Dados de rastreamento de contatos sugerem que quase metade das transmissões de SARS-CoV-2 ocorre antes que a pessoa infectada mostra sintomas. E alguns parecem contrair e eliminar o vírus sem nunca se sentirem doentes. “Se eu soubesse quem era assintomático e pré-sintomático [para COVID-19], eu … recomendaria o uso de máscaras faciais para esses indivíduos”, diz Dr. Monto. Infelizmente, ele acrescenta: “Não sabemos quem são esses”.

Fator importante

Um fator importante que leva as autoridades de saúde a desencorajarem o uso de máscaras é a falta de suprimentos, diz Dra. Elaine Shuo Feng, epidemiologista e estatística da Universidade de Oxford, cuja equipe publicou na The Lancet semana passada uma comparação das recomendações de máscaras de várias autoridades de saúde.

Por esse motivo, Mark Loeb, microbiologista e médico de doenças infecciosas da Universidade McMaster, diz: “Não acho que seja uma boa política de saúde pública que as pessoas saiam para comprar máscaras médicas e usem-as na rua.”

A escassez inspirou movimentos do tipo “faça você mesmo” em muitos países para produzir máscaras de pano, mas o CDC reconhece que faltam estudos rigorosos para medir a eficiência das máscaras caseiras.

Fonte: Science

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência Aceitar Leia Mais