Transplante de útero – Médicos brasileiros realizam procedimento inédito

0 385

Pela primeira vez, um bebê nasceu após um transplante de útero de um doador falecido, relatou hoje a revista médica The Lancet.

Com doadores vivos muitas vezes escassos, espera-se que este avanço ousado do Brasil possa oferecer esperança para 1 em cada 500 pessoas que sofrem de problemas de infertilidade devido a anomalias uterinas.

A menina saudável nasceu por meio de cesariana no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, após a mãe ter sido submetida a um transplante uterino, seguida de uma gravidez com fertilização in vitro (FIV), apenas sete meses depois.

A mãe, uma mulher de 32 anos, nasceu sem útero devido à síndrome de Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser (MRKH), uma doença que afeta uma em cada 4.500 mulheres.

Ela recebeu o útero durante uma cirurgia de mais de 10 horas, em setembro de 2016, de uma doadora de 45 anos que havia morrido de um derrame.

Ainda é cedo, mas até agora não há problemas relacionado ao transplante. A mãe e a criança deixaram o hospital apenas três dias após o nascimento, com um glorioso e sem intercorrências após alguns meses.

“O uso de doadores falecidos pode ampliar enormemente o acesso a esse tratamento, e nossos resultados fornecem uma prova de conceito para uma nova opção para mulheres com infertilidade uterina”, disse a autora Dr. Dani Ejzenberg, do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Escola de Medicina.

“Estamos autorizados a fazer mais dois casos e estamos focados em melhorar nosso protocolo para podermos repetir essa história de sucesso”, disse à IFLScience Natalie Ehrmann Fusco, porta-voz dos médicos do projeto.

A história do procedimento: transplante de útero

Onze crianças nasceram após o transplante de útero de doadores vivos, o primeiro dos quais ocorreu na Suécia em setembro de 2013. Houveram tentativas anteriores de nascimento de uma criança usando um útero transplantado de um doador falecido, no entanto, todos não tiveram sucesso. Este caso, segundo os pesquisadores, é a primeira vez que houve sucesso.

Como se este novo estudo de caso não fosse impressionante o suficiente, este também é o primeiro transplante uterino a ser realizado na América Latina.

Leia mais

A desvantagem dessa cirurgia eram altas doses de drogas de imunossupressão e níveis moderados, embora administráveis, de perda de sangue. Por outro lado, os pesquisadores afirmam que os transplantes de doadores falecidos podem ter alguns benefícios em relação às doações de doadores vivos.

Obviamente, os médicos não precisam se preocupar com a saúde do doador. Eles também observam que poderia potencialmente tornar os transplantes de útero mais disponíveis, especialmente em países que já regulam e distribuem doações de órgãos de doadores falecidos.

“Os primeiros transplantes de útero de doadores vivos foram um marco médico”, acrescentou o Dr. Ejzenberg. “No entanto, a necessidade de um doador vivo é uma limitação importante, pois os doadores são raros, geralmente sendo membros da família dispostos ou qualificados ou amigos íntimos. O número de pessoas dispostas e comprometidas a doar órgãos após a própria morte é muito maior do que o dos doadores vivos, oferecendo uma população de doadores em potencial muito maior ”.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More