Transplante de pulmão salva jovem de 20 anos com COVID-19 – Veja foto!

0 406

Um transplante bem-sucedido de pulmão para pacientes gravemente doentes por COVID-19 pode oferecer a um meio de sobrevivência.

Uma jovem mulher cujos pulmões estavam inflamados e com cicatrizes irrecuperáveis ​​por causa do COVID-19 recebeu um transplante de pulmão duplo, disseram médicos do Northwestern Memorial Hospital em Chicago em uma entrevista coletiva em 11 de junho.

Acredita-se que seja a primeira vez que esse procedimento é usado para um paciente com coronavírus nos Estados Unidos. Transplantes similares foram relatados na Áustria e na China.

“Se ela não fizesse o transplante, não estaria viva”, disse Dr. Ankit Bharat, cirurgião torácico da Escola de Medicina Northwestern Feinberg, que chefiou a equipe de transplante. Ainda não está claro quantos pacientes cujos pulmões são destruídos pelo coronavírus poderiam se beneficiar dessa abordagem, disse ele.

A paciente, uma mulher hispânica na casa dos 20 anos, não tinha problemas de saúde antes de sua infecção. Assim que chegou ao hospital, ela precisava de ajuda para respirar com um ventilador mecânico, um sinal de “quão doentes seus pulmões já estavam”, disse Dra. Elizabeth Malsin, especialista em pneumologia e cuidados intensivos no Northwestern Memorial Hospital.

Foto:

Parte do pulmão afetado pela COVID-19.

Uma infecção por COVID-19 pode causar pneumonia, deixando os alvéolos – os pequenos sacos de ar que permitem que os pulmões e o sangue troquem oxigênio e dióxido de carbono – inflamados e cheios de líquido.

Enquanto algumas pessoas se recuperam da pneumonia, outras podem sofrer danos pulmonares duradouros. A jovem estava na unidade de terapia intensiva por cerca de seis semanas. Mas depois que ela finalmente limpou o vírus, os danos causados ​​pelo vírus obliteraram os alvéolos.

“Quando os pulmões ficam permanentemente danificados, eles simplesmente não melhoram”, diz Dr. Bharat. “Não temos medicamentos suficientes para recuperá-los.” O transplante duplo de pulmão em 5 de junho levou cerca de 10 horas – algumas horas a mais do que o habitual – porque as densas cicatrizes nos pulmões do paciente os deixaram presos às estruturas circundantes, disse Bharat.

Mas ela está melhorando a cada dia, ele disse, e conseguiu enfrentar o FaceTime com sua família. “Ontem ela sorriu e me disse … ‘Doc, obrigada por não desistir de mim.'”

Fonte: Science News

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais