Pesquisa descobre se temperatura e umidade afetam o coronavírus

0 272

O aumento da temperatura e umidade provavelmente retarda a propagação do coronavírus em todo o mundo, sugere um novo estudo. Mas o clima não pode parar a doença.

À medida que o clima ficou mais quente e úmido em 100 cidades chinesas, pesquisadores da Universidade de Beihang e da Universidade de Tsinghua descobriram que a taxa de transmissão do COVID-19 caiu.

“A alta temperatura e a alta umidade relativa reduzem significativamente a transmissão do coronavírus”, escreveram os autores do estudo.

Embora os especialistas em saúde pública e o novo estudo sugiram que o vírus sofrerá em temperaturas quentes, o calor e a umidade reduzirão apenas a taxa de transmissão.

Cientistas rastrearam o número estimado de transmissões, temperaturas e umidade nas cidades anteriores a 24 de janeiro, quando os bloqueios ocorreram e as celebrações do Ano Novo Lunar foram canceladas.

Usando o coeficiente R, um número que mede o número médio de pessoas infectadas por coronavírus, a equipe rastreou as taxas de transmissão.

Eles ajustaram esses números para levar em consideração fatores que poderiam influenciar a taxa de transmissão, como a densidade da população ou a riqueza de cada cidade.

Depois de fazer isso, eles estimaram o número médio de pessoas que uma pessoa infectada espalha a doença.

Especialistas em todo o mundo tentaram estimar o R0, ou a propagação da doença.

O COVID-19 possui um R0 estimado entre 2 e 2,5.

Leia mais

Mas esse valor cai à medida que a temperatura e a umidade aumentam, de acordo com os autores do estudo chinês, publicado no início deste mês.

“Um aumento de um grau Celsius na temperatura e um aumento de 1% na umidade relativa diminuem o R0 em 0,0383 e 0,0224, respectivamente.”

Porque a temperatura e umidade diminuem a propagação?

Os cientistas não sabem ao certo por que tantos vírus, incluindo a família mais ampla de coronavírus, se saem melhor em temperaturas mais frias e secas.

Mas sabemos que o sistema imunológico humano está mais deprimido durante o inverno. O ar mais frio e seco seca a mucosa do nariz, que atua como uma primeira linha de defesa, e os vírus respiratórios geralmente entram pela passagem nasal.

Certas células imunológicas, chamadas fagócitos, também parecem ser menos ativas. Isso significa que é menos provável que encontrem e matem vírus.

Pela equação dos pesquisadores chineses, se a temperatura nos EUA aumentar 15 graus Celsius, uma pessoa infectada espalhará o coronavírus para cerca de 0,6 menos pessoas.

Juntamente com o distanciamento social, isso pode ajudar bastante a reduzir a propagação do vírus. Essa é uma boa notícia mas não é a solução final para nosso problema.

Fonte: Daily Mail

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência Aceitar Leia Mais