Tamanho dos dedos pode indicar comportamento sexual – Entenda!

0 1.930

O tamanho dos dedos de uma pessoa pode fornecer uma pista sobre sua sexualidade. O estudo diz que mulheres com dedos anulares mais longos possuem maior probabilidade de serem lésbicas.

Pesquisadores da Universidade de Essex observaram conjuntos de gêmeos idênticos nos quais um dos irmãos era heterossexual.

Eles descobriram que o gêmeo homossexual tendia a ter uma diferença maior entre o comprimento do seu dedo indicador e o dedo anular, com a diferença mais pronunciada entre as mulheres.

Pesquisas anteriores indicaram que a exposição ao hormônio masculino testosterona no útero pode estar ligada a diferenças no comprimento do dedo e também à sexualidade.

O indicador e o anelar das mulheres são tipicamente de comprimento semelhante, enquanto nos homens há uma diferença maior.

tamanho dos dedos
O tamanho dos dedos pode estar relacionado com a sexualidade.

Homens e mulheres são expostos diferentemente ao hormônio masculino testosterona no útero.

O estudo observou que, em 18 grupos de gêmeos femininos, a gêmea lésbica tinha mãos “masculinas típicas” do que sua irmã héterossexual.

Em 14 grupos de gêmeos do sexo masculino, o gêmeo gay tinha tendência de mãos “femininas” do que seu irmão hetero, mas a diferença entre os dois não era vista como significativa.

Um gráfico indicava que o dedo indicador de mulheres homossexuais era tipicamente de 90 a 100% do dedo anelar.

O Dr. Tuesday Watts, do departamento de psicologia, disse: “Como os gêmeos idênticos, que compartilham 100% de seus genes, podem diferir em suas orientações sexuais, outros fatores além da genética devem explicar as diferenças.”

Leia mais

“Pesquisas sugerem que nossa sexualidade é determinada no útero e depende da quantidade de hormônio masculino a que estamos expostos ou da forma como nossos corpos reagem a esse hormônio.”

“Por causa da ligação entre os níveis hormonais e a diferença nos comprimentos dos dedos, olhar para as mãos de alguém pode fornecer uma pista para sua sexualidade.”

Os resultados foram publicados na revista Archives Of Sexual Behavior.